Wednesday, April 30, 2014

Tuesday, February 28, 2012

ENSINAMENTO MINISTERIAL CCA-MR ESTADO DO PARANÁ

ENSINAMENTO MINISTERIAL NO ESTADO DO PARANÁ.

Artigo 1º - ÉTICA E POSTURA MINISTERIAL NA CCA-MR NO PARANÁ.
a) Esta é uma Palavra Fiel e verdadeira; se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja (I Timóteo 03 V. 02 a 16).
b) Estas qualidades têm que ser observado antes da apresentação para o Ministério, os que já estão terão que adequar conforme a Palavra de Deus.
c) É possível que o escândalo venha; mais ai daquele por quem escândalo vier (Mateus 18 V. 07, Lucas 17 V. 01 a 10, João 05 V. 9, O Ministério tem que ser exemplo do Rebanho e na Igreja, não por força, mais de animo pronto assumindo com dignidade sua responsabilidade, (I Pedro 05 V. 10,11).
d) E bom que os irmãos vivam em União Salmo 133, Evitar cair em descrédito com a Irmandade, tanto na Igreja como na Sociedade, fazendo uma vereda perfeita, para os que vêm manquejando atrás de nos não caia totalmente, culpando o Ministério de irresponsabilidade na Doutrina da CCA-MR.

Artigo 2º - TRANSPARÊNCIA NOS DEVERES MINISTERIAL.

a) É dever de que o Ministério assuma o seu posto, sendo em Presidir com Cuidado e pontualidade, Administrativo com Responsabilidade na sua função, na Musica com louvor e postura no seu dever a que foi confiado por Deus, participar e acompanhar todos os eventos da sua Missão, no caso de força maior participar seu superior Ministerial o motivo justo.
b) Quando não estiver onde devia, deve aceitar a decisão dos companheiros que fizeram presente, evitarem demonstrar a irmandade sua discordância do assunto tratado, é prejudicial e sofrera sanção Ministerial no seu cargo.
c) Manter a pontualidade na Igreja com Horário, Cultos, Reunião, e qualquer assuntos do Ministério ou cargo, nossa postura é acompanhado pelos fieis na Igreja, evitarem ficar de cabeça baixa nos cultos, reflete divergência Ministerial, evitar conversação e sair no horário do culto, não é próprio de quem trabalha para o Senhor Jesus e ocupam cargos de responsabilidade.
d) Quando estiver passando por provações, peça Oração na Igreja, assim estará ensinando a Irmandade compartilhar suas emoções, sejam na Alegria ou na Dor, devemos participar junto de cabeça erguida apoiando os companheiros nesta Missão e valorizando o serviço sacro do Senhor.

Artigo 3º - COMPORTAMENTO MINISTERIAL.

a) O Ministro do Senhor nesta Obra; deve manter sua Integridade dentro e fora da Igreja, cuidado com sexo oposto e ociosidade na rua ou ambiente indevido, alguém observando pode fazer um mau juízo, e transmitir na sociedade com crítica a nossa Igreja e envergonhar a irmandade naquilo que representamos como um homem de Deus.
b) A Responsabilidade Ministerial acompanha o Homem de Deus por onde for, na Igreja, Trabalho particular, Lazer e nas viagens, nos lugares desconhecido Deus observa seus filhos; o que praticamos as escondidas a luz do dia revelara para vergonha dos infiéis (Lucas 08 V. 17,18).
c) Evitar provocar motim na Igreja, terminando o culto evitar bate papo na porta, principalmente quando alguém discorda de alguma coisa, andamento do culto, Palavra e ensinamento, devemos orientar a Igreja a obediência da Palavra de Deus, e Respeito com os vosso lideres, acomodar a exortação e subjugar por ela, conselho e até alguma promessa feita pelo Espírito de Deus, aprender a confiar em Deus, evitar discórdia no Ministério; de quem é melhor, ou pior na pregação da Palavra, A Palavra é de Deus, o Servo é apenas o transmissor ao povo, os que o ferirem com certeza será Punido pelo Senhor Jesus, ai daquele que blasfemar contra o Espírito Santo de Deus, evitem Criticar os ungidos, o Senhor não terá por inocente.

Artigo 4º - UNIÃO NO MINISTÉRIO E VIVER EM PAZ.

a) É bom que os irmãos vivam; e mantenham a Paz, evitar conversações, e não ser lobista entre a irmandade, procurarem decidirem os assuntos em reunião com sigilo, a decisão é da Reunião e não deste ou aquele irmão que apresenta; o resultado e aprovado pela maioria.
b) Quem apresenta um assunto, deve aguardar a decisão dos demais, o que ficar decidido é o melhor para a Obra de Deus, sendo aprovado ou não, é a reunião quem define e não determinado querer de alguém, apresente replica quando necessário numa outra reunião até que aprovem.
c) Evitar contenda desnecessária é agradável, quando algo não esteja acordado ou abatido, procura a pessoa envolvida e conversam, faltando acordo convoca uma reunião, esta decide como ficar a situação dos envolvidos na Igreja.
d) Oferecer segurança para a Igreja é necessário; evitando descontentamento para o povo é prudente, nem todos têm a estrutura ministerial para suportar os fatos, nem transmitir assuntos tratados em reunião Ministerial, tem causado vários problemas na Igreja e ate prejuízo na Fé.

Artigo 5º - HIERARQUIA MINISTERIAL NO PARANÁ.

a) É bom obedecer à posição hierárquica de cada cargo Ministerial, o avanço nas divisas, tem trazido constrangimentos e prejuízo na Obra, devem seguir a escala de superioridade Ministerial, do menor para o Maior, Cooperador ou Diácono para o Ancião Local; este apresenta para o Ancião Regional da sua localidade, este decide na Reunião Regional que preside, o resultado registrado em ata; apresenta na Reunião geral do Estado, Esta elege um Ancião Líder para apresentar na Reunião da Sede Nacional onde quer que aconteça.
b) Devendo levar e apresentar assuntos especificamente do seu cargo ou Ministério, do menor para o Maior até chegar ao Ancião que preside a Regional, chegando à reunião a decisão é conjunta com parecer de todos, valendo o que a maioria decidirem, na discórdia, o que preside, pode tirar de pauta, ou decidir a melhor forma de aplicar na Igreja.
c) Primar o atendimento de culto na Liturgia da CCA-MR, conforme a nova alteração do Regimento Interno, evitar inovações preliminares sem antes considerar em Reunião, sugerir é uma coisa, fazer uso antecipado é diferente e prejudicial, havendo conformidade no atendimento fica mais fácil, padronizando a Igrejas e Regionais administrativa, oferecendo a irmandade um perfil solido e Próprio da nossa organização, levando o zelo da nossa irmandade.
d) Manter a ordem no Culto (Col. 02 V. 04, a 19 e Primeiro (I) aos Coríntios, Cap.10, V 22 a 25, e Cap.14, V. 26 a 40).
e) Evitar alterar a ordem do culto por um evento, sim o evento enquadrar com o nosso culto conforme liberação da reunião. O culto é para elevo espiritual da irmandade Apostólica, devemos satisfazer a Igreja conforme o esperado do nosso povo.
f) Em nossos eventos ministeriais, a irmandade local deixa a liberdade para os irmãos que nos visitam, Atendimento de Culto, Louvores, testemunhos, fica para os visitantes da nossa Igreja, deve ser apresentado e justificado o Ministério que ocupa, contar às obras que Deus fazem o fez na sua localidade, entregar e levar Saudação para sua Igreja de origem! Visitantes de outras denominações ou Ministério diferente; devem ser convidado a participar dos cultos para ouvir, não oferecer liberdade nestes dias, toma o tempo dos irmãos que vem para a reunião.
g) Os louvores na Igreja são bonitos e necessários, porem é preciso certa ordem conforme (I Coríntios, 14 a 40), Máximo; (03) louvores por culto, a beleza da Obra de Deus esta na organização e não na aparência humana, deve fazer o agradecimento de visitas no coletivo, sem mencionar nomes e a Igreja que pertence, a irmandade não gosta desta formalidade, estamos apresentados a nossa Organização da CCA-MR, que sirva de exemplo para quem nos visita.
e) A Responsabilidade da organização é do Ministério local, quando necessário acertado com antecedência em reunião Ministerial, Dividir Funções entre o grupo, e cada um assumir suas responsabilidades com firmeza, o Ministério local deixa os atendimentos possíveis, na responsabilidade de quem foi escaldo para aquela finalidade, a honra da casa é função do Ancião mais antigo no Ministério da Localidade que sedia.
f) O Ministério deve tratar seus assuntos nas reuniões regionais, respeitar a descentralização dos Estados, havendo necessidade de alguma orientação, o Presidente do Estado entra em contato com o Presidente do Conselho, havendo necessidade ele vira e ajudara a resolver o assunto no Estado ou Regional.
g) As reuniões gerais de caráter Nacional; têm fins específicos, Orientar o Ministério e dar Ensinamentos gerais, alterações no Conselho, Estatuto, e Leis que rege a nossa Organização, um fala outros aprendem para executar nos seus Estados.
h) Assuntos com resolução é resolvido nos Estados de origem, para solicitar o conselho Ministerial somente o Ancião mais antigo no Ministério do Estado, apresentação de Obreiros, devem ser acertado em reunião Especifica no Estado, preencher as fichas e assinar pelo menos quatro, não pode faltar assinatura do mais antigo, este apresenta na Reunião do Conselho com segurança.
i) O Conselho é responsável para decidir assuntos organizacionais da Igreja, apresentar ao Ministério em reunião geral, os representantes dos Estados, é responsável de levar para sua regional e Igreja que atendem; entregar os ensinamentos, sendo ele o primeiro a cumpri-lo.

Artigo 6º - A HIERARQUIA MINISTERIAL QUE DEVE SER SEGUIDO.

a) O Cooperador substituiu a Sigla do Presbítero no Regimento Interno atualizado, Ficando assim a Hierarquia Ministerial! Cooperador, Diácono, Ancião Local, Ancião Regional e Ancião Presidente do Estado. Dois Servos Mais antigos do Estado; fazem parte do Conselho Ministerial de Ancião, para fins especifico nos assuntos Nacionais.
b) As Igrejas são alocadas na Regional, As Regionais são alocadas na Sede Estadual, As Sedes Estaduais é alocadas na Sede Nacional. A sede Nacional é administrada pelo Conselho ministerial de Ancião que julgam todo o Ministério.
c) O conselho não pode; e nem deve atender denuncia fora da ordem de sua Hierarquia Ministerial, recebendo alguma comunicação, deve orientar a forma a seguir, ou encaminhar a quem é de direito. Havendo denuncia que envolva o líder Presidente do Estado, Regional ou Ancião local, o conselho tem o poder de estabelecer uma comissão de inquérito e levantar os dados da acusação! Sendo a igreja de origem do acusado, averiguar com cuidado, sua testemunha veraz e a irmandade que o conhece, antes do veredicto é necessário avaliar o testemunho, na sua Cidade com o Ministério local. Visitar as famílias que o conhecem e sabem da sua idoneidade, as visitas têm que ser sem a presença do acusado e acusador, não permitir influenciar a irmandade contra este ou aquele; a verdade deve aparecer pela determinação de Deus, punido de acordo a Palavra e desobediência, caso acusação for falsa, o acusador para no ministério ou cargo que ocupa, pelo seu falso testemunho, perdendo a dignidade Ministerial.
d) Perde o Ministério nos seguintes erros! Infidelidade conjugal, Adultério, comportamento ilícito na Igreja, e falta de confiança entre o povo de Deus. Brigas corporais, Lesões, e Processo julgado e condenado por improbidade administrativa, outras ocorrência, é afastado temporariamente quando comprovado desvio de conduta, mediante testemunhas.

Assinado o Conselho Ministerial

João Paulino da Silva
Ancião

Tuesday, September 20, 2011

MENSAGEM DO DIA

A todos meus amigos e irmãos a Paz de Deus. 20/09/2011.



Buscar o impossível é sujeito encontrar o indesejável, confiando no AMOR do Senhor ele direciona os nossos passos! Fazendo tudo o que é possível ao Humano, aquilo que não conseguimos com a nossa força ele nos cumprimenta com sua Misericórdia. Busque a Paz no Intimo da Vossa Alma, com ela virá também às demais benção do Senhor. A perseverança torna o Impossível em realidade na Obediência da Palavra de Deus, somos mais que vencedores, quando confiamos naquele que tudo Pode (Deus).



21 - Querer o que não pode é sempre ambição humana, quando a possuem despreza como nada fosse, conhecendo a nossa capacidade percebe que é muito mais para cometer o mal! Mesmo quando está na pior procura subir prejudicando alguém que é mais fraco que você. Devemos saber com a inteligência que possuímos, havemos de colher somente o que plantamos! Fazendo menção de coitado dizemos, porque aconteceu comigo! Deixando de confessar que é fruto do seu próprio cultivo de maldade. O que fazemos à escondida a luz do dia o Mundo vivenciará! Sem combustível o fogo se apaga, mais a maldade alimenta a contenda entre os melhores amigos. Convido a todos para servir a Deus com sinceridade no AMOR de Jesus Cristo, praticando em nosso convívio a Caridade e a Paz Divina. Desejando ao teu próximo o mesmo que quer para si mesmo! Receberá cem vezes mais nesta vida e por fim o Reino dos Céus. Observando a sua consciência; ela tem a capacidade de medir o grau de sua existência, sendo o Senhor por Nos, quem será contra Nos é Vitoria. Tenha um bom dia na Paz de Deus.



WWW.ccamr.org.br

http://congregacaocristaapostolica.blogspot.com

www.bispopaulino.webnode.com.pt

WWW.ccapocalipse.webnode.com.pt

http://bereiano.wordpress.com/2011/06/07/dissidencia-adeus/

Email paulino_ccapostolica@hotmail.com

Paulino Fone 0xx43 – 3464.1408 Cel. TIM 0xx43 – 99124660

Monday, September 19, 2011

QUEM SOMOS CCA-MR

Esclarecimento a todos.

Gostaria de esclarecer a todos os companheiros Cristãos, a nossa Organização CCA-MR esta constituída e registrada em Três Estados da Nossa Federação, com (04) Administração solida e eficaz seguindo a Doutrina Apostólica pregada na Igreja primitiva. Trocemos da nossa Matriarca CCB, tudo o que é de melhor, Uso do Véu pelas nossas Irmãs, Osculo Santo e a ordem Doutrinaria como também no culto! Diversificando apenas em alguns itens, Não rebatizamos quem uma vez creu em Jesus Cristo e foi batizado por imersão, Servimos a Santa Ceia nos moldes ensinada pelo mestre Jesus Cristo, servindo em Cálice separado e com Suco de Uva natural da Vide.

Trabalhamos na Evangelização e restauração de Alma (MINISTÉRIO VOLUNTARIO DO SENHOR JESUS), Guardamos os mesmos artigos de fé, exercitamos as contribuições voluntária entre o povo de Deus, mantemos comunhão com toda a Igreja que pregam Jesus Cristo como é o sumo Pastor das nossas almas. Outros comentários ao contrario a nossa fé e doutrina, é especifico da Pessoa e de caráter Pessoal, porem não interfere no andamento já definido das Igrejas CCA-MR dos Estados do Paraná, Espírito Santo, e São Paulo, Outros ideais esta fora da nossa Organização definitivamente, respeitamos e debatemos assuntos que edifica a Igreja de Cristo, porem; o debate defamatório não é aconselhavel na internet e tem causado transtorno doutrinário e muito desanimo Espiritual aos que crererm na doutrina Apostolica, atrapalhando a união de muitos outros grupos com doutrina igual ou semelhante o nosso ideal.

Quero tranqüilizar a todos, nossa Doutrina esta baseada na Doutrina pregada pelo Apostolo Paulo, seguimos e não pretendemos mudar o que é certo nas Igrejas Cristã, conforme nosso nome leva para fixação da nossa crença, Congregação Cristã Apostólica ministério da Restauração, todos que gostam da Doutrina dos Apostolo é bem vindo para servir a Deus junto a Nos, e sentira em casa quando cultuar na CCA-MR e comunhão com os Santos do Senhor Jesus.

WWW.ccamr.org.br
http://congregacaocristaapostolica.blogspot.com
www.bispopaulino.webnode.com.pt
WWW.ccapocalipse.webnode.com.pt
http://bereiano.wordpress.com/2011/06/07/dissidencia-adeus/
Email paulino_ccapostolica@hotmail.com
Paulino Fone 0xx43 – 3464.1408 Cel. TIM 0xx43 – 99124660

Tuesday, August 16, 2011

A IGREJA VERDADEIRA

A Verdadeira Igreja e Confusão Religiosa


Qual é a verdadeira igreja de Jesus Cristo?
Qual é a sua identidade?
Qual é o seu nome?
Quem são seus membros?
Ela será revelada ao mundo?
A confusão religiosa.

No dia 06 de outubro de 2007 por volta das três horas da madrugada acordei-me e não consegui mais adormecer, foi então que, acredito eu, Deus começou a me trazer a mente essa matéria para que eu pudesse escrevê-la.

Coloquei-me de joelhos e orei por uns instantes e fiquei meditando no assunto em pauta, antes das seis horas levantei-me, desci ao escritório para preparar o rascunho.

Procurarei responder as perguntas acima e após entrarei no assunto direto e sem reservas.

1) A verdadeira igreja de Cristo é invisível, embora esteja presente em todo o mundo.

2) Sua identidade é clara na observação literal da Bíblia Sagrada, obediência,
Santidade, fidelidade e submissão total a Cristo. Preparada por Ele mesmo (Efésios 5:27) “Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível”.

3) Seu nome é Esposa do Cordeiro e ou Noiva de Cristo, (Apocalipse 19:7) Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória, porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou.

4) Seus membros são aqueles aceitam a Cristo como Salvador, e obedecem à risca os ensinos sagrados e lavam suas vestiduras no Sangue do Cordeiro como diz em (Apocalipse 22:14) “Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que tenham direito à árvore da vida e possam entrar na cidade pelas portas”.

5) Ela será revelada ao mundo, porém, não como uma igreja existente, mas como uma igreja que foi tomada repentinamente da terra pelo arrebatamento e já não mais existe no mundo, (1 Ts 4:17) (...)depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

Estamos rodeados de tantas igrejas que se dizem ser a verdadeira e única Igreja de Cristo, porém Cristo não outorgou esse diploma a nenhuma identidade religiosa, placas e nomenclaturas que hoje se infestam por aí. A salvação do pecador não está restrita a esta ou aquela igreja, mas unicamente em Jesus Cristo, conforme está escrito em (Atos 4:12) “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”. Atribuir para si esse atributo é falta de conhecimento bíblico.
Fica claro que a verdadeira igreja de Cristo não se limita placas é invisível porque ela é composta de pessoas fieis aos ensinos de Deus, o que não se pode ver com os olhos humanos, só no dia do arrebatamento veremos e saberemos quem verdadeiramente servia a Deus, examine o que está escrito em (Malaquias 3:18) “Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus e o que não o serve”.

6) Sobre a confusão religiosa, procuraremos descrever alguns engodos que se pregam em algumas igrejas, entre elas algumas que até se dizem evangélicas.

Não queremos fazer juízo, mas vejas os engodos e confusão que há em muitas igrejas o que se torna difícil crer que existem nelas membros da verdadeira igreja de Cristo, porque poderemos afirmar isso? Podemos afirmar porque tais igrejas não têm como base as Escrituras Sagradas e seguem ensinos estranhos, exemplos: como pode ter membros da igreja de Cristo no meio da idolatria, macumbaria e mesmo algumas que se dizem evangélicas, mas seus ensinos nada têm a doutrina bíblica? Tem que ser Bíblia ou nada!

Existem aquelas que foram instituídas unicamente por interesses espúrios, como sejam: Aquisições de bens materiais e para encher seus cofres emocionam os incautos e lhes apresenta promessas de riquezas, cura de infermidades, saúde, chaves de carros e com isso os menos esclarecidos que nem lêem a Bíblia deixam lá em suas salvas suas notinhas cinco, dez, cinqüenta e até cem reais de fato para esses enganadores a “benção” da parte financeira chega cedo, mas para os outros quando reclamam que não receberam a “benção” eles dizem vocês não tem fé, e lá vai mais dinheiro.

Nelas se pregam você é filho do Rei não podes viver doente e nem passar necessidades. Como poderemos admitir que essas igrejas tenham em si membros da Igreja verdadeira de Cristo se seus trabalhos nada têm haver com a doutrina bíblica, mas puramente interesses materiais tanto dos seus lideres quanto daqueles que lá aportam e lá permanecem? Se o fiel membro da igreja de Cristo não pode viver doente ou passar necessidade como explicar que Paulo o Apostolo e Timoteo tinham problemas com saúde? Veja o que diz na epístola (2 Coríntios 12:7) “E, para que me não exaltasse pelas excelências das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de não me exaltar”. Tudo indica que Paulo tinha problemas nos olhos, pelo que está escrito em (Gálatas 15) “Porque vos dou testemunho de que, se possível fora, arrancaríeis os olhos, e mos daríeis”. Timoteo amigo e companheiro de Paulo tinha problemas no estomago e outras enfermidades conforme o Apostolo Paulo diz em, (1 Timóteo 5:23) “Não bebas mais água só, mas usa de um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas freqüentes enfermidades, (1 Timóteo 5:23) “Não bebas mais água só, mas usa de um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas freqüentes enfermidades”. Assim exploram os incautos e aqueles que não lêem a Bíblia com atenção e andam atrás de bens materiais como se fossem viver eternamente na terra.

A Igreja verdadeira e invisível ensina com exatidão que seu alvo e caminhar para o céu porque desde o momento que aceitamos a Cristo deixamos de pertencer a este mundo, Embora tenhamos que vivermos aqui a nossa vida terrena, mas prestem atenção no Jesus disse ao Pai em sua oração, (João 17:15 e 16) “Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. Não são do mundo, como eu do mundo não sou”.

A igreja verdadeira embora invisível ensina e obedece todo conselho de Deus, e nunca deixa de falar sobre a morte de Cristo e Sua vinda nas nuvens para arrebata-la, como dizia o Apostolo Paulo em seu tempo, (Atos 20:27) “Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus”.

No meio religioso há uma mistura muito grande de fieis e infiéis que compõem a igreja de modo geral e como entender e poder distinguir a verdadeira no meio de tamanha confusão? Pregam somente o que o povo gosta de ouvir; bênçãos terrestres, saúde física, curas e revelações como se vida aqui na carne fosse eterna, Jesus disse que os sinais seguiriam a igreja, mas não que a igreja deveria seguir atrás de sinais, porque a missão da igreja verdadeira, embora os sinais a acompanhe, é anunciar o perdão e a salvação da alma através do Sacrifício de Cristo. A verdadeira igreja não anda atrás de sinais, mas eles é que a seguirão conforme diz em (Marcos 16:17 e 18) “E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão”.

Para entender e distinguir a verdadeira igreja atentemos para o seguinte: Na realização de um casamento entram para a festa de núpcias os convidados, mas muitas vezes entram alguns que não são amigos do noivo ou da noiva, outros entram de bicão ou por curiosidade, veja o que diz a Bíblia sobre os que assim procede, (Mateus 22:11 a 13) “E o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste nupcial. E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu. Disse, então, o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o e lançai-o nas trevas exteriores; ali, haverá pranto e ranger de dentes”. Entende-se perfeitamente que esses são os que mesmo estando na igreja vive na infidelidade para com Deus. São aqueles que acompanham a Igreja, porém não assumem compromissos com a Palavra de Deus, são somente religiosos que acompanharam a igreja invisível, mas pertenciam a igreja visível.

A verdadeira Igreja será um dia arrebatada da terra e aí distinguirá clara e visivelmente a verdadeira Esposa do Cordeiro de Deus, veja o que diz o Apostolo Paulo a respeito do arrebatamento da verdadeira Igreja do Senhor em (1 Ts 4:17) “Depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor”. Veja agora o que o Profeta de Deus diz a respeito dos fiéis e dos infiéis, da verdadeira e da falsa e mentirosa, (Malaquias 3:18) “Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus e o que não o serve”.
Deveres dos Membros da verdadeira Igreja do Senhor
Se você quer ser membro da Igreja verdadeira deve viver afastado do mundo e suas concupiscências conforme exige a Palavra de Deus em (1 João 2:15) “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele”. E ainda em (1 Pedro 3:11) “Aparte-se do mal e faça o bem; busque a paz e siga-a”. Viva como nova criatura conforme diz em (2 Coríntios 5:17) “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”.

A verdadeira Igreja de Cristo encerrará suas atividades na terra no dia do arrebatamento e para isso o cenário já está sendo montado no mundo e principalmente no Oriente Médio, é só prestar atenção nos acontecimentos de hoje quando por toda parte estão invertendo os valores, até nos meios religiosos e o pecado assolando impiedosamente, hoje a preocupação maior é com os bens terrestres deixando os celestes em segundo plano.

Após o arrebatamento o mundo entrará em grande sofrimento com o juízo de Deus sobre as nações, o arrebatamento dera com um piscar de olhos como diz em (1 Coríntios 15:52) (...) “num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”.

Não espere a Igreja verdadeira encerrar suas atividades aqui, filie-se a ela enquanto há tempo e seja fiel até a morte e receberás a coroa da vida diz em (Apoc.2;10) (...) “Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida”.

Esteja atento, Creia em Cristo e leia a Bíblia.
Crédito ao Pr. Ismar Vieira Malta

WWW.ccamr.org.br

WWW.congregacaocristaapostolica.blogspot.com

Email paulino_ccapostolica@hotmail.com

Fone Cel. TIM 0xx43 – 99124660

Paulino

Wednesday, May 05, 2010

ORGANIZAÇÃO (CCA-MR)

CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA - MINISTÉRIO DA RESTAURAÇÃO.


O que é Organismo? O Principio da Sabedoria (DEUS).

O que é Organização? O Principio da Criação humana (HOMEM).

O que é a Lei? O Principio da Ordem Universal o (ESPIRITO SANTO).

Deus respeitou as três formas para a Criação, (PAI, FILHO E ESPIRITO SANTO).

(Pai – Organismo Primário). (Filho – Organização Humana). (Espírito Santo - a Lei).


Todos os Reinos e Império; foram criados encima de um Organismo, quando não foi Deus, fundamentaram em uma força espiritual ao Contrário, Solidificando sua Organização encima de um Principio, Criando a Lei, que complementa o Ideal do fundador, cumprindo e fazendo cumprir os três fundamentos básicos e necessários.


(1º) - Partindo deste Principio (Organismo) toda organização; seja Religiosa, Filantrópica ou da Iniciativa Privada, é fundamentada encima de três fundamentos semelhante, Primeiro o (ORGANISMO), justificando o Idealismo, a Luz de Deus em um projeto; proposto pelo Idealizador principal Fundador da Iniciativa da Constituição.

(2º) – Planejamento com regularização do Inicio com recursos Humanos, meio e Fim, (ORGANIZAÇÃO), firmado no Organismo, deve planejar o desenvolvimento, visando o exterior da causa, justificando o fundamento do idealismo, estabelecendo divisão de poderes, função e qualificação de cada um no Organismo primário, com estabilidade organizacional alem do saber, reconhecer que vira outros com muito mais sabedoria, e poderão dar continuidade na Organização; sem fugir do Ideal que é o Organismo ou Fundador Principal.

(3º) – Na complementação desta justificativa; regularizamos o Organismo e a organização, na Obediência as (LEIS), conhecendo o Principio do Organismo, o fundamento da Organização, o Interesse da Nossa Ordem, reconhece uma Unidade organizacional de acordo a Constituição, a Jurisdição do Estado; e obediência ao (FORUM) de sua Comarca, amparado no Principio, Na Organização Humana, Firmamos a Estabilidade perante as Leis, temos a segurança de, cumprindo os três fundamentos necessários para qualquer Organização segura.


CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA – MINISTERIO DA RESTAURAÇÃO.

Nossa Constituição Religiosa (CCA-MR), obedecendo aos três fundamentos básicos. Primeiro o (ORGANISMO) a Luz de Deus concedida ao seu Servo (ANTONIO SILVERIO); foi dada a continuidade na formação Organizacional (ESTATUTO), regulamentação da nossa Organização nos Estados de Nossa Jurisdição, Acompanhando o ideal do Fundador; precisamos reconhecê-la perante as (LEIS), que também obedece aos três poderes, (NACIONAL, ESTADUAL E MUNICIPAL), Neste Conceito nossa Organização terá que ser reconhecida; perante as Leis (ESTADO, FORUM E ESTATUTO CCA-MR), Reconhecendo como Sede no Estado; o Município de sua Implantação Ministerial. Vivenciando os três fundamentos básicos, prevemos nossa Organização os três poderes (ESTATUTÁRIA, ECLESIASTICO E ADMINISTRATIVO), nesta formação não reconhecem superiores e nem subordinados, reconhecemos e valorizamos a Hierarquia Eclesiástica; no quesito antiguidade Ministerial, com a experiência; servem-nos como conselheiros dos mais jovens, autoridade mesmo; é conferido ao mais antigo no Estado, assinando o Estatuto; é reconhecido perante as Leis o (PRESIDENTE ADMINISTRATIVO NO ESTADO), Sua autoridade é proclamada mediante seu trabalho, fundamentando a Igreja no principio do (ORGANISMO), Instituiu a (ORGANIZAÇÃO NO SEU ESTADO), acordou com as Leis de sua Jurisdição (FORUM E COMARCA), esta formalização; acende ao Poder de (ORGANISMO), ou Fundador da Organização no seu Estado. Obedecendo aos três Fundamentos básicos (ORGANISMO, ORGANIZAÇÃO E LEIS), Respeitando autoridade do Iniciador no Estado, firmamos nossa Organização na Ordem e decência, Seguimos o mesmo principio do Organismo, Estatuto e a Leis da nossa Jurisdição, sabendo respeitar o direito de todos. Para regularizar possíveis altercações Estatutárias, ou regularizar doutrinas; ou qualquer outra que envolva a Igreja no Cenário Nacional, temos Previsto o Parlamento do Conselho Ministerial, Contendo (09 Cadeiras), Dividido na seguinte ordem, (03 (GO), (03(PR), (02(SP), (01(ES), Conforme a necessidade que surgir, O Presidente Administrativo de cada Estado detentor das cadeiras; a que tem direito, nomeara o Membro para ocupá-la, podendo ser do Ministério ou não, deve ser qualificado no Assunto em questão, Após o Preenchimento das cadeiras, será feito um Estudo sobre a matéria, enquadrando nos Princípios da Formação (ORGANISMO, ESTATUTO E FORUM), tendo uma decisão votam; segundo o numero de cadeira, encaminha para a Sede Nacional (ES), computando os votos, despacha sua decisão, aprovado; passa a constar no Estatuto Primário de nossa Ordem Ministerial, reprovado, pode ser melhorado e analisado a causa da rejeição, em outro momento poderá ser novamente discutido pelo Conselho, Levando ao Conhecimento da Igreja; somente após sua Aprovação. O Presidente Administrativo no Estado, é reconhecida sua autoridade superior perante o Ministério do seu Estado, quando em visita a outro é subordinado as Honras da Casa do Ministério Anfitrião, Quando convidado para Presidir um Evento, exerce autoridade de Juiz na Missão a ele outorgado, sendo mero participante; usa da oportunidade quando concedido, no mais aguarda ser Honrado, mesmo que seja o mais antigo no Ministério Eclesiástico no Brasil.


Esta instrução é reconhecida na formação de todas as organizações, com fundamento de expansão, tanto no Cenário Nacional ou Exteriores. Esta base deve ser respeitada na Constituição da Igreja de cada Estado, fugindo do Principio Organizacional, fica insuportável, e não conseguimos chegar a Lugar algum, deve obedecer nosso Principio, (ORRGANISMO FUNDADOR, ORGANIZAÇÃO HUMANAS COMPRIMENTO DAS LEIS E FORUM DO MUNICIPIO DE INICIALIZAÇÃO DA OBRA DE DEUS).


Agradeço a leitura com a Guia de Deus, deixamos de pensar em nos, no EU, Começamos a pensar na Organização do Amanhã (HOJE, AMANHA E DO FUTURO), Mantenha a Paz e fará de nos homens Sábios na Presença de Deus. Mantemos a autoridade conforme o Trabalho de cada um, valorizarmos todos, em particular; Honra a quem merece a Honra, e firmamos no Principio de cada um, assumindo de verdade nosso Lugar no cenário da Obra de Deus, posição não Justifica, eleva a discórdia no quesito respeito; a quem de verdade adquire com seu Trabalho na Obra de Deus.








RECOMEÇAR DE NOVO.
Deus não é homem para que se arrependa e nem fraco para que desista, fez do barro a sua imagem e semelhança e chamou de Adão, deixou a sabedoria à disposição de quem a busquem, batendo abrir vos há, pedindo encontrareis. Seria o pecado um tropeço para que Deus rejeitasse o homem, quando aos olhos dos Anjos a Criação dos seres humanos já estava perdida, veio o resgate através de seu filho Jesus Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, ressuscitou no homem a sua semelhança que havia perdido com o pecado. Jesus Cristo através do seu amor levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens, por sua morte fez o que ninguém poderia fazer. Ele mesmo disse, ainda que o homem caia sete vezes levantara, estando morto eu ressuscitarei, depende somente no que você Crer, Busque a Vida e acharas deixe a morte e sua condenação para todos que a rejeita o perdão, tenha um bom dia na Paz de Deus. http://congregacaocristaapostolica.blogspot.com www.bispopaulino.webnode.com.pt E-mail paulino_ccapostolica@hotmail.com jpspaulino@yahoo.com.br Fone 0xx43 - 34641408 Celular 0xx43 - 99130806 Mauá da Serra Paraná Sede Regional, e Secretaria do estado do Paraná.
Parceiros na Missão da Obra de Deus.
http://bereiano.wordpress.com/tag/crista-apostolica
http://www.congregacaocristaapostolica.blogspot.com/
http://www.ccbverdade.com.br

Saturday, April 24, 2010

REGIMENTO INTERNO

REGIMENTO INTERNO

DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, TEMPO DE DURAÇÃO, FINALIDADE.


Artigo 1º - A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) é uma comunidade civil religiosa que tem sua fé e doutrina fundamentada exclusivamente na BÍBLIA SAGRADA. Baseando no IDE de Jesus Cristo, Marco 16, fundamentando na Doutrina Apostólica, conivente com os ensinos do Apostolo Paulo. A (CCAMR) é apolítica; sem fins lucrativos e é constituída de todos quantos crerem na bendita Palavra de Deus, sem distinção de sexo, raça, cor, nacionalidade ou posição social.

Parágrafo único – Qualquer ministério, funções ou cargos na (CCAMR) são de natureza voluntária sem remuneração, pois todos os seus membros trabalham pela fé, respeitando o direito Civil de cada membro em obediência a Palavra de Deus, referenda a constituição ministerial, na bíblia sagrada I Timotio Capitulo III, sem esta qualificação fica isento de qualquer função Eclesiástica.

Artigo 2º - A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) tem sua PERSONALIDADE JURÍDICA amparada nos dispositivos da Constituição da República Federativa do Brasil, na Lei N.º 6.015 de 31 de dezembro de 1.973, e no Código Civil Brasileiro, no seus Artigos 16 e 19 Lei de n.º 10.406 de 10 de Janeiro de 2002.

Artigo 3º - A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) estabelece sede administrativa em todos os Estados da União Federativa do Brasil e Internacional, com autonomia de instalar Regionais administrativas conforme necessidade Nos Estados e Municípios. Obedecendo ao mesmo ESTATUTO ÚNICO, e regimento Interno incluso, sem fugir da Doutrina de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, em conformidade com a Igreja Primitiva e ensinamento Apostólico. Registrando uma sede Administrativa Regional e Jurídica, na obediência da Lei e FORUM de sua Comarca, referendando o endereço da administração formada e empossada pela ATA da Assembléia Geral de sua localidade.

Parágrafo único – A igreja Congregação Cristã Apostólica (CCAMR) poderá possuir número ilimitado de Casas de Oração e de Administrações nos Estados e Municípios; e Internacional havendo necessidade. Porém todas as ramificações que surgirem, estarão sujeitas ao Único Estatuto; e ao Mesmo Regimento Interno, regulando a organização na obediência da Palavra de Deus; sem fugir da Doutrina Apostólica.

Artigo 4º - A duração de TEMPO da igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR), pretende-se por tempo indeterminado, conforme a fé de seus membros que esperam pela volta de seu redentor Jesus Cristo.



Artigo 5º - A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR), tem por FINALIDADE Propagar o Evangelho de Jesus Cristo a toda criatura, evangelizar e restaurar almas; que é o amor de Deus para com o Homem, Doutrinar seus membros na busca dos valores espirituais e na santificação de suas vidas (sem a qual ninguém verá; a Deus); Contribuir para uma melhora na sociedade através da educação, disciplina e caráter de seus membros de modo geral; e Fundar e Administrar através de seus órgãos competentes outros grupos, escolas e entidades de cunho filantrópico.

CAPITULO II:
DOS GRUPOS ADMINISTRATIVOS

Artigo. 6º - A DIREÇÃO da igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) é dividida em três poderes similar, Nacional, Estadual e Regional, obedecendo ao Ministério Eclesiástico; devidamente CONSAGRADO para a Função, cabendo ao primeiro Pastor ou Ancião a Regência Nacional, Seguindo a mesma ordem os Estados e Municípios; onde formarem as sedes administrativas.

l – MINISTÉRIO ECLESIASTICO, considerando a cada um dos servos a qualificação Ministerial da Palavra de Deus, I Timotio Capitulo III. Sempre em harmonia com a Hierarquia Ministerial dos Pastores ou Anciãos, acendido ao Ministério em caráter de Reunião Geral, ou especifica das Assembléias, (Nacional, Estadual, ou Regional) conforme sua competência.

II – ESPECIFICO DA ADMINISTRAÇÃO NACIONAL, Função especifica do Ministério Eclesiástico, obedecendo ao principio da antiguidade Ministerial; onde o primeiro Ancião é considerado PRESIDENTE de Honra, cabendo a ele toda a organização Nacional; avaliado e acompanhado pelo Conselho Nacional da (CCAMR), respondendo em Fórum de sua Jurisdição conforme sua sede, cumprindo e fazendo cumprir a ordem Ministerial, havendo impossibilidade; este desiste da sua primazia para posse de quem estiver mais em condição desta função, limitado à função unicamente um neste posto.

III - ESPECÍFICO ADMINISTRATIVO NOS ESTADOS, Funções especifica do Ministério Eclesiástico (PASTOR OU ANCIÃO), obedecendo ao principio da antiguidade Ministerial; onde o primeiro no Estado é Considerado o PRESIDENTE de Honra, cabendo a ele toda a organização Estadual; e formações de Regionais Jurídicas Administrativas, sobre a responsabilidade e acompanhamento do Conselho Nacional; e da Jurisdição e FORUM de sua Comarca, havendo impossibilidade; este desiste da sua primazia para posse de quem estiver mais em condição, esta função na Hierarquia Ministerial é concedido unicamente a um por Estado,



IV – ESPECIFICO DA REGIONAL ADMINISTRATIVA, Caráter Civil, Eleita em Assembléia geral de sua Região; Com a participação da Irmandade e voto, é empossada com mandato de quatro anos mediante a ATA de concessão de autonomia na Organização, Exercendo o poder administrativo, respondendo em Lei por todo o Patrimônio e Financeiro na sua Jurisdição e Comarca de sua Regional; de caráter voluntário e Civil, mediante qualificação profissional para as devidas funções, o Pastor ou Ancião mais Antigo na Região; é o responsável pela ordem Eclesiástica, para presidir as assembléias Regionais, Respondendo pela parte Espiritual da Igreja.

CAPÍTULO III.
PODERES ECLESIASTICO, LIDERANÇA E COMPETÊNCIA.

Artigo 7º – O exercício das atividades de culto e demais celebrações espirituais da igreja: CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) é de responsabilidade exclusiva do MINISTERIO ECLESIÁSTICO; sobre o gerenciamento dos Pastores ou Anciãos que são separados e consagrados para esse fim, conforme mencionado no capitulo 6º do Estatuto Nacional; outorgado a responsabilidade mediante Reunião Eclesiástica de sua competência, e as administrações por sua ordem; como toda a Igreja esta sujeita a Organização e ao mesmo Estatuto Nacional e Regimento Interno.

Parágrafo único: Todas; as administrações Patrimoniais da (CCAMR) estarão sujeita ao crivo das Administrações Estadual e Nacional; e ordenança do Ministério Eclesiástico dos Pastores e Anciãos.



Artigo 8º - A coordenação espiritual das atividades de cultos diários de cada igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) é de responsabilidade direta do Presbítero Local, sendo ordenado pela ordem dos Pastores e Anciãos, em cooperação com o Ministério Eclesiástico em uma única Igreja da sua Regional.

A) HIERARQUIA MINISTERIAL:

§ 1º Evangelista ou cooperador; Ministério Itinerante para o inicio de Obra.
§ 2º Presbítero; Ministério e autoridade sobre uma Igreja, conforme sua ordenação e formação.
§ 3º Diaconisa; cooperadora dos Diáconos no atendimento Social de sua Localidade.
§ 4º Diácono; atendimento Social da Organização de sua Igreja ou Regional em cooperação com o Ministério Eclesiástico dos Pastores ou Anciãos,
§ 5º Pastor ou Ancião; Ministério Eclesiástico Ungido, para presidir local ou Regional.
§ 6º Pastor ou Ancião mais antigo no Estado é o PRESIDENTE de honra; para presidir a organização no Estado de sua Jurisdição.
§ 7º Pastor ou Ancião mais antigo no Brasil é o PRESIDENTE de Honra; para presidir a Organização no Território Nacional e fora dele.

Artigo 09 – DAS ORDENAÇÕES E CONSAGRAÇÕES MINISTERIAIS: Conforme deliberação na assembléia geral; cabe ao Pastor ou Ancião Presidente; designar poder para os Estados, Obedecendo a Hierarquia Ministerial de cima para baixo, dividir-se, entre as Unções e Ordenações dos novos obreiros.
Artigo 10 - AUTORIDADE ECLESIASTICA; Na CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) não há superiores nem subordinados entre os membros do Ministério Eclesiástico, porém a liderança e a submissão entre os mesmos são definidas pela hierarquia e posição ocupada; considerando a honra e respeito à antiguidade ministerial.

Artigo 11 – COMPETENCIAS DAS ADMINISTRAÇÕES REGIONAIS.

I. Presidente e vice. Assinar e zelar pelo Patrimônio e financeiro da Organização, representando em Fórum de sua Regional.
II. Secretário e Vice. Assinar e Organizar documentos oficiais e contábeis da Organização, responsabilizando por atas e arquivos em segurança.
III. Tesoureiro e Vice. Assinar e acompanhar a movimentação Financeira da Organização, fazer balanço do livro caixa entrada e saída, conforme extrato bancário.
IV. I, II, III Membro do Conselho Fiscal, Assinar balancete de conferencia na contabilidade, comprovar e firmar a responsabilidade do movimento patrimonial e Financeiro do ano Findo; oferecendo a Irmandade aprovação da Gestão administrativa.
V. Auxiliares Administrativo. Auxiliar a administração quando solicitado, tanto em construção e reforma, ou em atos especiais preencher vacância na administração.
OUTROS CARGOS NA REGIONAL.

IV. Orquestra Maestro e Maestrina. Ensinar a Musica Fazer regência nos ensaios Locais e Regionais, incentivar os novos candidatos a Musica.
V. Músicos e Musicistas. Assumir o compromisso de congregar e cooperar com a irmandade nos cânticos na Igreja; entoados com seus instrumentos musicais.
VI. Porteiros e Porteiras. Cooperar com a irmandade na recepção, marcar os pedidos de oração; registrar os nomes dos visitantes, auxiliar na ordem do culto.
VII. Operador de Som. Regular o Microfone, altura da sonoridade, registrar o nome dos cantores que irão louvar, observando limite especificado.
VIII. Grupos de Limpeza. Assume a responsabilidade de limpar, organizar a Igreja para os cultos oficiais e extra-oficiais.
IX. Diaconisa. Visitas domiciliares e atendimentos sociais, lavar e passar roupas do batismo, organizar e assessorar novas convertidas nos quartos de trocas de roupas para o batismo, acompanhar e aconselhar as novas irmãs no convívio espiritual da Igreja e no Matrimônio.
X. Diácono, responsável pelo Social da Igreja ou Regional, compromisso direto com a organização Ministerial e Administrativo, organizar os Grupos de Limpezas e atendimento da porta, apresentar solicitação de contribuição para atendimento, coordenar e designar atendimento aos novos convertidos no quarto de trocas de roupas, assinarem o livro caixa das contribuições voluntárias, justificando entrada e saída de donativos.
Artigo 12 – É dever do Pastor ou Ancião Consagrado, Presidir sobre a organização de sua Competência, cumprir e fazer cumprir a responsabilidade de cada função Ministerial na sua ordem, respeitando e fazer respeitar todo o Ministério Eclesiástico e Administrativo, conforme competência Hierárquica de cada Função no cenário Nacional, Estadual e regional, quando impedido delega Função ao Pastor ou Ancião que substitua na sua Hierarquia Ministerial na Organização da Congregação Cristã Apostólica no Apocalipse em nível de Competência.

Artigo 13 – E Dever do Pastor ou Ancião consagrado; Presidir sobre a Organização de sua Competência, Ungir e Consagrar novos Obreiros; subordinado Assembléia Geral, Nacional, Estadual e regional, Cumprir e fazer cumprir a responsabilidade de cada função na Jurisdição do seu Estado e FORUM de sua Comarca, respeitando e fazendo respeitar todo o Ministério Eclesiástico e Administrativo; conforme sua Hierarquia Ministerial, Quando impedido de suas funções; delega poder ao Segundo na escala da Hierarquia Ministerial.

Parágrafo Único - O Ministério Eclesiástico perdera sua função nas seguintes circunstancia.
I. Por falecimento.
II. Renúncia voluntária apresentada por escrito e registrada em ATA, com direito de exercer o Ministério em outra localidade que tenha necessidade, desde que; de comum acordo com o Ministério da localidade acolhedora.
III. Por incapacidade física relacionada à saúde, o excesso de idade.
IV. Por improbidade administrativa, comprovado em acareação confirmado.
V. Por infidelidade conjugal ou qualquer prática sexual ilícita aos olhos da igreja.
VI. Por abuso de poder Administrativo e Eclesiástico.
VII. Por deixar de cumprir o Estatuto Nacional e o Regimento Interno do seu Estado.
VIII. Por transgressão disciplinar devidamente apurado e comprovado, mediante Procedimento de Processo Administrativo e Disciplinar.

Artigo 14 – O Pastor ou Ancião da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR), um ou mais por Igreja conforme necessidade verídica, Ordenado e Ungido na Presença da sua Igreja, assume o Ministério Eclesiástico conforme imposição de mãos do Pastor ou Ancião mais antigo; deliberado pelo Presidente, quando definir uma Regional administrativa; o mais antigo ocupa a primazia da Região; Presidira a organização da sua Regional, cumprindo e fazer cumprir o Estatuto Nacional e Regimento interno na sua Jurisdição, administrando todo o Ministério Eclesiástico e administrativo de sua Regional.

CAPITULO IV.
DA SELEÇÃO PARA AS FUNÇÕES

Artigo 15 – A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) na seleção dos membros que ocupam as funções do Ministério Eclesiástico e administrativo; conforme sua Ordem baseiam exclusivamente no seu Credo; e nos padrões de sua Fé e Doutrina, seguindo a INTERPRETAÇÃO dos ditames bíblicos; sem fugir do mesmo Estatuto.
Parágrafo único – As funções da (CCAMR) de modo geral, só podem ser ocupadas por membros da mesma; e de acordo às seguintes condições:

a) Quando comprovado comportamento ilibado (bom testemunho) dos membros; dentro e fora da organização.
b) Quando comprovado fidelidade familiar e do comprimento do Estatuto Nacional e ao Regimento Interno.
c) Quando indicado por um membro do Ministério Eclesiástico; mediante a necessidade comprovada; de mais um nesta função na Igreja ou Regional.
d) Quando aprovado na ASSEMBLÉIA GERAL com as devidas qualificações para o exercício da Função; ficha assinada por três Pastores ou Anciãos; que conheçam e o represente.

Artigo 16 – Os membros da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA ou aderente a nossa Organização (CCAMR) somente ocupara Funções Eclesiástico ou Administrativo; sendo membro; e quando casados no padrão bíblico, na figura do casal do jardim do Éden, homem e mulher, macho; e fêmea, marido e esposa, conforme Gênesis 2:24; e conforme 1º a Timotio 3:2 e de acordo com o artigo 1.514 do Código Civil Brasileiro; para a constituição da família e descendência de filhos.

Parágrafo único – Os membros solteiros não são indicados para funções eclesiásticas; salvo em caráter de extrema necessidade; quanto ao inicio da Obra desta Organização (CCAMR) em novas localidades.

Artigo 17 – Nenhum membro da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) é ou será indicado para as funções eclesiásticas e administrativas quando.
I. Estiver vivendo em concubinato.
II. Casado ou amasiado com companheiro (a) do mesmo sexo.
III. For preconceituoso (a) em relação aos demais evangélicos.
IV. Quando comprovada a prática do proselitismo religioso.
V. Quando o mesmo renegar o Estatuto Nacional e o Regimento Interno do seu Estado.
VI. Quando estiver sob processo judicial criminoso julgado e condenado.
VII. Quando for dependente químico de qualquer natureza.

Artigo 18 – Também não são aprovados para os demais cargos da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) quando comprovado que os solteiros; praticaram a fornicação; ou qualquer outra prática sexual antes do casamento, comprovado com ata que tratou da causa.

CAPITULO V
ADMINISTRAÇÃO, COMPETÊNCIA, E SELEÇÃO.

Artigo 19 – As Administrações da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA NO APOCALIPSE (CCAA) Em todas Regionais, será composta de no mínimo (três) membros Titulares, (Presidente, Secretário e Tesoureiro), representado pelos seus respectivos Vices, o grupo será indicado e aprovado pelo Corpo Eclesiástico dos Pastores ou Anciãos da Regional.
Parágrafo único – No Ministério Eclesiástico. Faltando o Presidente de honra, o segundo assumirá as suas funções; sendo substituído por qualquer um dos Pastores ou Anciãos ativo na Hierarquia Ministerial, comprovado a capacidade administrativa e relação com a Organização (CCAMR).

§ 1º - O mandato dos membros das Administrações será de (quatro anos), permitida a recondução aos cargos mediante o bom desempenho de sua função.
§ 2º - No caso de vacância destes cargos, será suprido pelos Vices, na falta deste será indicado um dos auxiliares, para responder por esta função em substituição, para preencher o cargo vago, cumprindo o tempo restante do mandato.

Artigo 20 - Os membros das Administrações; responderão pelo patrimônio de sua outorga, e incluirão em relatório anual o movimento espiritual e material; conforme autonomia; auto-rogado, as demais casas de orações da mesma organização; prestara contas das seguintes ordens, As Regionais Administrativas de sua Jurisdição, esta encaminha para a Organização Nacional anexando o Patrimônio Geral da Instituição.

§ 1º - Havendo necessidade poderão existir cargos de Auxiliares das administrações, tudo conforme o disposto no “caput” deste artigo.

§ 2º - É vedada a criação de mais de uma administração para um mesmo município, porém uma mesma Regional Administrativa; poderá administrar a totalidade dos bens patrimoniais de vários Municípios.



§ 3º - As administrações só poderão ser extintas através do Ministério Eclesiástico na ordem dos Pastores ou Anciãos, devendo tais decisões a ser referendadas e deliberadas na ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA OU EXTRAORDINARIA da regional citada.

§ 4º - Às administrações caberão a sugestão ou formação de departamentos de construções, engenharia, compra de materiais e outros. Essas sugestões deverão sempre, serem submetidas para aprovação do Conselho Ministerial conforme sua Ordem; na Presidência de um Pastor ou Ancião.

Artigo 21 - Os atos da administração do patrimônio físico da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR), que excederem a simples gestão; incluindo compram e vendam de bens e imóveis, será antes da efetuação dos mesmos apresentados na ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA OU EXTRAORDINARIA DE SUA REGIONAL; para dela se obter a aprovação, sendo tomada para a sua perfeita execução, inserida à ATA da reunião referida de sua auto de execução.

Artigo 22 - O Corpo Administrativo poderá outorgar, a membros da mesma denominação no Estado, procurações para representar a igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) com poderes específicos e prazo não excedente de (01) um ano da sua outorga. Em tais situações deverão ser nomeados no mínimo (03) três Procuradores, para cujos atos assinarão no mínimo (02) dois, vedado o substabelecimento.

Artigo 23 - As administração da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR), em cada localidade responde por suas obrigações e responsabiliza-se por seus atos na sua Ordem.

Artigo 24 - Os Membros administrativo e Eclesiástico como das Administrações, responderão pelos excessos eventualmente praticados que ocasionem danos material ou Espiritual e morais à (CCAMR) ou a terceiros; que venha manchar o nome da instituição.

Artigo 25 - Todos os atos de aquisição ou de disposição de bens imóveis, ou de serviços bancários devem ser assinados pelos administradores titulares, observando os dispositivos nos Artigos da Lei, Estatuto Nacional e Regimento interno da (CCAMR).

Artigo 26 - Compete as Administrações executarem conforme a sua Ordem:

I. A formalização e deliberações aprovadas nas ASSEMBLÉIAS Regionais.
II. Efetuar trabalhos de compra e vendas de imóveis na sua Regional.
III. Coordenar as construções e manutenções de Casas de Orações e de toda administração patrimonial e financeira da (CCAMR).
IV. Elaborar e apresentar anualmente aos membros da (CCAMR) em culto específico, no mês de Fevereiro, Relatório Geral de suas atividades e Prestação de Contas do Exercício do ano anterior.
V. Cuidar com todo o zelo e diligência, dos valores arrecadado e aplicado na Organização de sua Regional.
VI. Manter em perfeita ordem todos os livros contábeis, ATAS e Comprovante de Pagamento, junto à escrituração em dia, guardando os respectivos documentos comprobatórios, em ordem cronológica, inclusive os títulos de propriedades adquiridas.
VII. Zelar do patrimônio da (CCAMR).
VIII. Prestar informações sobre a igreja física às autoridades e órgãos governamentais em cumprimento ao dever legal da Lei.

Artigo 27 - É terminantemente vedado ao grupo Administrativo:

I. Abonar, avalizar, prestar fianças e endossar títulos em favor de terceiros em nome da (CCAMR).
II. Pleitear em nome da (CCAMR), junto a entidades governamentais ou privadas, auxílios ou subvenções de qualquer natureza, salvo quando for deliberado pelas autoridades, para beneficio do social da Instituição (CCAMR)
III. Utilizar-se de quaisquer bens ou valores pertencentes à (CCAMR) para fins estranhos aos interesses da mesma.

Artigo 28 - Compete ao Presidente (a) da Administração Regional:

I. Liderar e responder pela Administração da (CCAMR) da sua Regional.
II. Representar ou fazer representar a (CCAMR) em juízo ou fora dele, quando solicitado para responder sobre a administração física material da igreja de sua Regional;
III. Apresentar aos membros da igreja, em culto de assembléia anual, no mês de Fevereiro, o movimento material; bem como o balanço patrimonial ou relatório financeiro da (CCAMR) na Regional administrativa de sua Jurisdição.
IV. Movimentar as contas bancárias conjuntamente com o tesoureiro, e o secretário se necessário.
V. Administrar os valores arrecadados das Coletas de sua Regional.

Parágrafo único – Faltando o Presidente na Regional o Vice assumira sua função, em sua ausência será substituído por um dos membros titulares da Administração, não havendo membro capacitado assumi um dos auxiliares, na falta de todos, convoca uma Assembléia Extraordinária para eleição e posse de uma nova administração (CCAMR).

Artigo 29 – Compete ao Secretário (a):

I. Superintender os trabalhos de secretaria da (CCAA), propondo as providências administrativas; necessárias à sua eficiente organização.
II. Redigir e assinar as correspondências da administração em Geral.
III. Responsabilizar-se pela guarda do arquivo de livros da administração e das ATAS de assembléias, mantendo-os em dia e em perfeita ordem.
IV. Redigir e ler a ATA das assembléias de modo geral.
V. Movimentar e assinar se necessário às contas bancárias conjuntamente com o presidente ou com tesoureiro.

Parágrafo único – Faltando o Secretário, o Vice-secretário assumirá as suas funções; não havendo este, o secretário será substituído por qualquer um dos administradores titulares; no exercício do cargo.



Artigo 30 - Compete ao Tesoureiro (a):

I. Receber e guardar sob sua responsabilidade, os valores pertencentes à (CCAMR), depositando as importâncias em conta da mesma, em estabelecimentos bancários escolhidos pelo Corpo Administrativo e Eclesiástico da Instituição;
II. Apresentar todos os dados financeiros para elaboração do balanço anual.
III. Movimentar as contas bancárias conjuntamente com o presidente, e o secretário.

Parágrafo único – Faltando o Tesoureiro, o mesmo será substituído pelo vice-tesoureiro, não havendo este, por qualquer um dos administradores titulares, no exercício do cargo.

Artigo 31 – Para a composição do Grupo Administrativo, a igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) selecionará os membros que estiverem enquadrados nos seguintes incisos:

I. Ter noção de Contabilidade, Financeiro e Patrimônio.
II. Habilidade em redação própria, com noção de descrever atos.
III. Isenção das penalidades previstas na lei.
IV. Ter bons antecedentes dos que estão dentro e fora da (CCAMR).





CAPITULO VI.
OFERTAS E FUNDOS

Artigo 32 – A receita da igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR), é auferida exclusivamente por coletas e ofertas VOLUNTÁRIAS, cujas importâncias são aplicadas integralmente nas necessidades da referida igreja, em suas atividades; e observando fielmente e exclusivamente nas finalidades religiosa e ou filantrópica ligada a Instituição.

§ 1º - Na (CCAMR) o trabalho espiritual e material é de natureza voluntária, sem fins lucrativos e, portanto não há qualquer espécie de remuneração salarial aos membros que exercem funções eclesiásticas, administrativas ou demais cargos da Ordem da (CCAMR).
§ 2º - A (CCAA) simpatiza com a disposição do Apóstolo Paulo em 1º aos Coríntios 9.11. 1-27; portanto, o exercício de qualquer atividade em caráter voluntário junto à mesma terá a natureza de mera liberalidade.

Artigo 33 – As ofertas e doações ficarão sob a responsabilidade direta dos membros da Administração, respeitando a intenção e destino da Oferta.
§ 1º - Uma vez registrada e confirmada as ofertas, o ofertante em hipótese alguma terá o direito de ser ressarcido; pois em nenhum momento lhe será imposta à obrigação de sua oferta.
§ 2º - Uma vez documentada a doação; com a assinatura do doador e de no mínimo mais três testemunhas, o doador não mais terá direitos quaisquer de restituição ou indenização, quer seja por arrependimento, ou por interesses particulares, pois também em nenhum momento lhe será imposta à obrigação de doação de seus bens.
Artigo 34 – Todos imóveis ou bens que forem doados à CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA, deverão ter seus documentos ou notas fiscais ou certificados de compras e vendas, transferidos ao nome ou poder da mesma.

§ 1º - Em caso de desligamento voluntário de algum membro ou grupo, que tenha doado imóvel ou bem à (CCAMR); o patrimônio doado permanecerá com a mesma.

§ 2º - Extinguir-se-á (CCAMR) quando não mais existir fiéis que sigam a sua doutrina e seus costumes em todo o Território Nacional, Uma vez dissolvida a (CCAMR), seu Patrimônio será anexado ao Grupo que segue; a mesma Doutrina e Fé no Senhor Jesus Cristo, será feito sua liquidação de conformidade com as leis em vigor, podendo também ser destinado os valores de seu patrimônio a ASILOS, ORFANATOS, ESCOLAS E HOSPITAIS PÚBLICOS, ou até mesmo a outras denominações cristãs que prega a Salvação Eterna.

Artigo 35 – Tudo o que for pago com os valores arrecadados na CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR), deverá ter a apresentação de notas fiscais, documentos ou certificados em nome da mesma.




Artigo 36 – Os valores e doações arrecadados na igreja; e sob a responsabilidade do Corpo Administrativo serão direcionados:
l - A Assistência Social da (CCAMR).
II - Ao Patrimônio e Construção da (CCAMR);
III - As viagens missionárias, quando houver necessidade de deslocamento, Passagem ou manutenção de Veículos, despesas com hotel e alimentação.
IV - A manutenção das casas de orações e Material não permanente.
V - A compra de bens, móveis e imóveis, acessórios e materiais de construção.
CAPITULO VII.
CONSELHO FISCAL E SUAS ATRIBUIÇÕES

Artigo 37 – A CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) terá um Conselho Fiscal; composto de (três membros), I, II, III, com mandato de um ano, que são indicados pelo Ministério Eclesiástico e empossados na ASSEMBLÉIA GERAL DE SUA REGIONAL. É permitida a recondução do cargo havendo Interesse de ambas as Partes.

Parágrafo único – Compete ao Conselho Fiscal, podendo ser assessorado por um contabilista, o exame de todos os documentos contábeis, financeiros e patrimoniais, emitindo o parecer para ser validado à ASSEMBLÉIA GERAL.

CAPITULO VIII.

ADMISSÃO DOS MEMBROS, DIREITOS E DEVERES.

Artigo 38 – A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA, declara como membro de sua comunidade religiosa espiritual, todo aquele (a), que aceitar a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador; e for batizado nas águas por imersão, e também todos os não-batizados que são filhos e filhas dos membros ativos, e que se predispõem à fé da igreja no Discipulado da (CCAMR).

§ 1º – As pessoas não-batizadas; e sem parentesco com membros da (CCAMR); poderão freqüentar a mesma e participar com liberalidade de todas as celebrações espirituais, mas não serão inclusas no rol dos membros da igreja, e sim, no rol dos Evangelizados.

§ 2º - Todos os membros, todos os filhos ou filhas de membros; e até mesmo os visitantes freqüentadores assíduos da igreja (CCAMR); estão sujeitos às normas previstas neste Estatuto Nacional e no seu Regimento Interno, que regem essa instituição na manutenção da ordem e da disciplina.

§ 2º - Todos os filhos de membros menores de doze anos, com comportamento ilibado na Ordem e disciplina da (CCAMR), não possuindo a idade para o Batismo, serão servidos a Santa Ceia, sem contar no Rol de Membros e de participantes, considerando que dos tais é o Reino de Deus.

Artigo 39 - A CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) não se responsabiliza por atos ilícitos e voluntários de qualquer de seus membros; e do Corpo Eclesiástico ou administrativo da Administração, dos Cargos, e do Público da igreja que:

I. Ferir a ética moral ou causar danos materiais a outrem;
II. Usar o nome da (CCAMR) para qualquer finalidade não prevista no Estatuto Nacional e no Regimento Interno.

Artigo 40 – É terminantemente proibido aos membros de modo geral:
I. Publicar textos, e imagens, vídeos da igreja sem a aprovação unânime do Conselho Ministerial e Regional.
II. Abrir Orkut, Blog e Site; ou qualquer atração da internet usando o nome da igreja sem autorização.
III. Expor fotos de membros da igreja sem o consentimento por escrito dos mesmos.

Artigo 41 – É de DIREITO dos membros da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR):

I. Receber ao ser agregado na (CCAMR): O Estatuto Nacional e o Regimento Interno (CCAMR), e a Carteira de Identificação de Membro.
II. Participar de todas as solenidades espirituais da igreja, bem como de todas.
As festividades da mesma.
III. Participar quando convocado das ASSEMBLÉIAS de modo geral.
IV. Ser informado com transparência das deliberações das ASSEMBLÉIAS de modo geral.
V. Contribuir e doar voluntariamente valores; bens e donativos.
VI. Ter ciência do destino de suas contribuições e doações.
VII. Exercer todas as atividades eclesiásticas inerentes ao seu ministério, quando eleito e consagrado para o mesmo.
VIII. Exercer todas as atividades administrativas das Administrações; quando habilitado e empossado para o mesmo.
IX. Exercer todas as atividades dos Cargos Funcionais específicos, quando separados, habilitados; e apresentados para os mesmos.
X. Exercer todas as Atividades Congregacionais quando não estiver sob SANÇÃO DISCIPLINAR.
XI. Concorrer à vaga ministerial quando indicado;
XII. Votar e ser votado.
XIII. Ampla Defesa e Recurso quando submetido a Procedimento Administrativo Disciplinar.

Artigo 42 – É DEVER de todos os membros da igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR):

I. Assinar contrato de admissão de membro.
II. Assinar compromisso eclesiástico quando consagrado a ofício do mesmo.
III. Cumprir com todas as normas previstas neste Estatuto e no Regimento Interno (CCAMR).
IV. Respeitar e submeter-se à função das autoridades eclesiásticas constituídas para ministrarem a Palavra de Deus, bem como para contribuir para uma melhor sociedade civilizada.
V. Quando coordenador de Conselho Ministerial Disciplinar, dar ao membro réu o amplo direito de defesa e de recursos nas deliberações do Procedimento Administrativo Disciplinar.

CAPITULO IX.
DESLIGAMENTO DOS MEMBROS e DEMISSÃO

Artigo 43 – O membro da CONGREGAÇÃO CRISTA APOSTOLICA (CCAMR) que deixar voluntariamente de freqüentar as solenidades espirituais e não mais comparecer as festividades da igreja dentro de um espaço de 90 (noventa dias) será considerado desligado ou desmembrado da mesma.

Parágrafo único – Será considerado membro novamente todo o que estiver desligado da igreja e tomar a decisão voluntária de ser reintegrado à mesma reconciliando com a Igreja.

Artigo 44 – O membro do Corpo Eclesiástico; ou das Administrações, que desejar o desligamento de suas funções congregacionais, poderá fazê-lo mediante carta de renuncia constando os motivos da mesma, bem como a sua assinatura.
§ 1º - Caso a renuncia aconteça de forma verbal e o membro se recuse a redigir a carta, o Conselho Ministerial Disciplinar lhe concederá prazo máximo de 30 (trinta dias) para que o mesmo possa refletir sobre sua decisão.

§ 2º - Concluídos o prazo dos trinta dias para a reflexão do membro renunciante sobre a sua decisão; e o mesmo ainda insistir no seu propósito de renunciar e de não redigir a sua carta de renúncia; o Conselho Ministerial Disciplinar redigirá uma ATA constando os fatos ocorridos; e a apresentará à irmandade para que toda a igreja possa ser testemunha e contribuir com sua assinatura.

Artigo 45 - Qualquer membro que renunciar o seu ministério eclesiástico; ou a sua função Administrativa, e posteriormente vir a arrepender-se e desejar ser reintegrado à sua respectiva atividade funcional, sua reintegração ministerial será concluída mediante aprovação na ASSEMBLÉIA GERAL MINISTERIAL, e com a avaliação e solicitação da irmandade do seu convívio; sendo aceito novamente; recomeça no final da fila da Hierarquia Ministerial.

Artigo 46 - Será EXCLUÍDO ou DEMITIDO da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA qualquer membro que:
a) Praticar qualquer transgressão criminosa prevista no código penal.
b) Cometer escândalo notório e repudiável pela sociedade e pela comunidade (CCAMR).

Artigo 47 – Conforme Parágrafo único do Artigo 1º deste Estatuto, a CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR), não remunera seus membros; e portanto nenhum membro desligado ou demitido, seja de qualquer função a qual exercia voluntariamente terá direito à ação indenizatória, pois a ninguém é imputada a obrigação do dever.

CAPITULO X.

CARGOS CONGREGACIONAIS


Artigo 48 – Na CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) também há CARGOS CONGREGACIONAIS que são ocupados por membros que os executam de forma VOLUNTÁRIA no exercício das atividades espirituais; de acordo com Parágrafo único do Artigo 1º; do Estatuto Nacional e Regimento Interno (CCAMR).

Parágrafo único - As atribuições, a competência, bem como as normas previstas para cada cargo congregacional estão estabelecidas no ESTATUTO e Regimento Interno (CCAMR).

CAPITULO XI.
ASSISTÊNCIA SOCIAL

Artigo 49 – A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) quando na existência de recursos, realizará trabalho específico de contribuição para o bem estar da sociedade, atendendo a seus pobres, enfermos e necessitados mediante um serviço social voluntário.
Parágrafo único – A (CCAMR) também poderá exercer (dentro de suas possibilidades) Assistência Social a membros de outros grupos evangélicos e a não evangélicos.


Artigo 50 – Na igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) o atendimento social não é atribuição somente dos diáconos e diaconisas, nem do Grupo da Administração. Todos os membros da (CCAMR) são livres para servirem ao Senhor de forma voluntária; porém quando o atendimento requerer valores da igreja, o mesmo será de competência do Ministério específico da Organização.
CAPITULO XII.
DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS


Artigo 51 – Todas as decisões espirituais e materiais da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) todos os projetos, missões, seleção de novos obreiros, designação de comissões e outras mais atividades serão deliberadas através de suas ASSEMBLÉIAS ORDINARIAS E EXTRAORDINARIAS, de caráter REGIONAL, ESTADUAL E NACIONAL, conforme qualificação na Organização.

Artigo 52 – As Assembléias Ordinárias ou Extraordinárias, bem como as Reuniões mensais, é realizada na sede de sua qualificação segundo a ordem da (CCAMR).

§ 1º - Participa da Assembléia Ordinária ou Reunião Mensal:
a) Os Pastores ou anciães da Regional.
b) Os presbíteros da Regional.
c) Os Diáconos da Regional.
d) Os Evangelistas da Regional.
e) As Diaconisas da Regional.
f) Os Membros da Administração e auxiliares da Regional.
§ 2º Compete à Assembléia Ordinária ou Reunião Mensal:
a) Deliberar sobre os assuntos coerentes a sua Regional.
b) Decidir Assuntos de sua competência e administração.
c) Selecionar e decidir sobre construção e reforma na sua regional.
d) Aprovar e apresentar novos Evangelistas, assistido pela Regional.
§ 3º Compete a Assembléia Geral no estado:

a) Elaborar pauta e Ordem do Dia.
b) Elaborar; e organizar os ensinamentos para o Ministério no Estado.
c) Considerar novos Obreiros que será aprovado no Congresso Nacional.
d) Planejar a Organização no Estado.
e) Designar Funções e Missões de Ordenação no Estado.

§ 4º Compete ao Congresso Nacional.

a) Elaborar pauta e Ordem do Dia.
b) Elaborar; e organizar os ensinamentos para o Ministério Nacional.
c) Considerar os novos Obreiros, e designar os Ordenadores.
d) Tratar de alteração Estatutária; e Doutrinaria da (CCAMR)
e) Designar Comissão e Conselhos para decidir assuntos da Organização.
f) Firmar e formalizar a estrutura administrativa, Nacional. Estadual.
I) Considerar assuntos da Instituição com aval da Maioria dos Pastores ou Anciãos Juntamente com os Presbíteros Ordenados.

Artigo 53 – As deliberações e diretrizes de qualquer Assembléia da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA, são definidas e concluídas mediante os seguintes critérios:

I. Por Unanimidade dos Presentes.
II. Por 50% dos votos somados com mais 01.
III. Por Plebiscito com todos os Membros da.

CAPITULO XIII
CONSELHO MINISTERIAL E DISCIPLINAR

Artigo 54 – A CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) poderá sempre que a necessidade exigir, constituir um CONSELHO MINISTERIAL DISCIPLINAR, composto por um número ímpar de no mínimo (Três membros) do Corpo Eclesiástico, sendo um o Presidente do Conselho, e outro, o Relator do processo, e o outro jurado. Os quais desenvolverão seu trabalho com autonomia para os devidos fins, investigação, Alteração e complementação dos dados; para uma melhora na Instituição, relatando tudo completo, finalizando com o parecer do Conselho; assinado pelos membros, é juntado ao processo de suas finalidades.

Parágrafo único – A composição dos membros para o Conselho Ministerial Disciplinar varia de acordo à função do réu, portanto o conselho deverá ser composto por:

a) Pastor ou Ancião Presidente, Nacional, Estadual ou Regional, quando o réu for do Ministério Eclesiástico.
b) Pastor ou Ancião, quando o réu for um Ministério Administrativo.
c) Pastor ou Ancião e Presbítero, quando o réu for do Ministério ou cargo menor na escala da Hierarquia Ministerial.

Artigo 55 – Compete ao Conselho Ministerial Disciplinar.

I. Desenvolver o Procedimento Administrativo Disciplinar.
II. Julgar as causas relacionadas à indisciplina por parte dos membros da Organização (CCAMR).
III. Relatar e imitir o Parecer assinado pelos membros do Conselho.

Artigo 56 – Compete convocar o Conselho Ministerial Disciplinar quando:

I. Houver Denuncia com testemunha presente, Instaura o Processo disciplinar para acareação do Ministério Eclesiástico e Administrativo, Pastor ou Ancião, Presbítero e Evangelista, Diácono e Diaconisa, Administradores, Cargos Congregacionais; e Membros ativos na Igreja.

CAPITULO XIV.
PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR

Artigo 57 – A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR). Através do Conselho Ministerial Disciplinar executará, sempre que a necessidade exigir, o PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR; que consiste no julgamento do cargo ou membro que infringir as normas previstas neste Estatuto Nacional e do Regimento Interno (CCAMR), promovendo assim a desordem contrária à Ética e à Disciplina da Organização.




Parágrafo único – O Procedimento Administrativo Disciplinar tem como objetivo:
a) Manter a Ordem e a Disciplina na igreja.
b) Averiguar denúncia contra o comportamento ilícito dos membros de modo geral.
c) Investigar os fatos e circunstâncias das transgressões disciplinares dos membros de modo geral.
d) Instaurar o processo de cassação de cargo do membro funcional.
e) Ouvir e Registrar depoimento das testemunhas envolvidas.
f) Conceder ao membro réu o amplo direito de defesa.
g) Assegurar o direito de exercício funcional do réu quando constatado sua conduta ilibada.
h) Destituir o réu de sua função quando constatada a sua culpa.
i) Promover a instauração do processo judicial ou extrajudicial para a responsabilização do denunciado; à reparação dos danos materiais e morais causados à (CCAMR).
j) Anexar documentos do processo de apuração à ATA do procedimento.

Artigo 58 – O Procedimento Administrativo Disciplinar da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR). Atingirá o membro réu somente nas suas atividades eclesiásticas ou administrativas e funcionais; sendo-lhe resguardado o seu direito de culto e de adoração, portanto o procedimento obedecerá aos seguintes critérios:
I. Nenhuma denúncia administrativa será considerada se o delator não for membro da (CCAMR).
II. Qualquer denúncia por atos ilícitos por parte de delator extra (CCAMR) deverá ser encaminhada pelo mesmo com denuncia por escrito.
III. Cada denúncia será encaminhada à competência Regional, Estadual ou Nacional da (CCAMR)
IV. O Ancião responsável pela congregação sede Regional, Estadual ou Nacional; de posse da denúncia escrita pelo delator, designará a constituição do Conselho Ministerial Disciplinar, que deverá ser composta por membros do Corpo Eclesiástico; relativo superior ao Ministério do Infrator.
V. O Pastor ou Ancião designado para presidente do conselho constituído, analisará a denúncia e designará o Relator para que registre na presença dos membros do Conselho, o depoimento do delator e de suas testemunhas envolvidas.
VI. Em seguida o Presidente do Conselho dará ao réu o prazo máximo de (quinze dias) para o mesmo apresentar sua defesa.
VII. O Relator tomará o depoimento por escrito do réu; e de suas testemunhas.
VIII. De posse dos depoimentos de ambas as partes, mediante o Estatuto Nacional e o Regimento Interno (CCAMR) os membros do Conselho julgarão o destino funcional administrativo do réu em questão.
IX. O Presidente do Conselho constituído; proferirá a sentença dos membros dos jurados; na presença do réu.
X. O Presidente do Conselho encaminhará o processo à Sede Administrativa para efetivar a conclusão do Julgamento.

Artigo 59 – Toda denúncia contra qualquer membro da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) deverá ter como base o Estatuto Nacional e Regimento Interno (CCAMR) deverá ser encaminhada por escrito para o Pastor ou Ancião responsável por aquela Jurisdição.
Parágrafo único – A denúncia verbal contra qualquer membro da (CCAMR) somente será considerada nos casos notórios e de repercussão de fato; e com garantias de no mínimo duas testemunhas, sendo então a denúncia registrada pelo receptor da mesma, antes da comissão ser designada ao exercício do procedimento.
CAPITULO XV.
DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS


Artigo 60 – A igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) poderá manter anexos às suas casas de orações, depósitos de Bíblias Sagradas, hinários e véus, artigos esses, usados durante os cultos, de acordo com a fé, doutrina ou costumes; e que serão distribuídos aos seus membros por preço atualizado, sem fins lucrativos.

Artigo 61 – É previsto na igreja CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) bibliotecas para fins de Estudo e Pesquisa dos membros da Organização.

Artigo 62 – O CONGRESSO na CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA (CCAMR) é uma festividade espiritual realizado após a ASSEMBLÉIA GERAL; e tem por finalidade a confraternização espiritual entre todos os membros da Organização de modo geral, bem como dos demais visitantes cristãos e não-cristãos, aplausível de ensinamento para toda Organização.

Artigo 63 – A CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA tem incluso o seu REGIMENTO INTERNO (CCAMR), Que regula as normas de cada exercício funcional do Corpo Eclesiástico, Administração, e das Funções dos Cargos Congregacionais; bem como dos procedimentos dos rituais; sendo todos os membros da (CCAMR) de modo geral sujeitos às leis orgânicas internas que visam à disciplina, a ordem e a moral nos trabalhos voluntários dos eventos da igreja.

Parágrafo único – Qualquer membro que vir a quebrar as regras estabelecidas no Estatuto e regimento Interno (CCAMR) será levado à Conselho Ministerial Disciplinar e poderá ser definitivamente afastado de sua função ministerial, administrativa ou funcional, conforme deliberação do Conselho.

Artigo 64 – O Estatuto Nacional Incluso o Regimento Interno (CCAMR) da CONGREGAÇÃO CRISTÃ APOSTOLICA NO APOCALIPSE, só poderão ser alterados mediante deliberação de ASSEMBLÉIA GERAL NACIONAL OU ASSEMBLEIA GERAL DO ESTADO, conforme comissão estabelecida em tal funcionalidade Prevista.

§ 1º - Este Estatuto Nacional e Regimento Interno (CCAMR) Começam a vigorar na data de sua aprovação na ASSEMBLÉIA GERAL NACIONAL, devendo ser mencionado na ATA; eleição e Posse do Pastor ou Ancião Presidente Nacional, Encaminhando para Registro Publico de acordo com a Lei N.º 6.015 de 31 de dezembro de 1973, entidade sem Fins lucrativo, justificando a Prestação de contas anuais sempre no Mês de Fevereiro, revoga quaisquer disposições contrárias a Sã Palavra de Deus.
.



Art. 65 - PONTOS DE DOUTRINA NECESSARIO (CCAMR):

NÓS CREMOS NA INTEIRA BIBLIA: (CCAMR)
§ 1º - Cremos na orientação de Deus, escrita para um bom comportamento dos homens - Is. 40.8 e Mateus. 24.35 e Lucas. 24.44. Registra a vontade e atos de Deus para com os homens, no objetivo da salvação de todos os arrependidos, II Tim. 3.16, João 20, 30, 31, Atos 8.35. Foi escrita por homens divinamente inspirados que faziam à vontade de Deus; e se completa como um todo, não devendo, portanto ser interpretada parcialmente, constituindo-se, assim em única regra de fé e prática da Igreja - Hebreus. 4.12, II Pedro. 1.20 e 21, Gálatas. 6.16.
CREMOS EM UM ÚNICO DEUS: (CCAMR)
§ 2º - Há um só Deus vivo eterno e imutável, Deuteronônimo. 6.4, I Cor. 8.6, I Tim. 2.5,6 e João 4.24. É onipotente, onisciente e onipresente; é misericordioso, amoroso e perfeito em santidade - Is. 43.15, Êx. 6.2,3, Mateus. 6.9, Mal. 3.6, I Pedro. 1.16. É criador, sustentador, redentor, juiz e Senhor absoluto do Universo - Gên. 1.1, Atos 17.24,26, Deut. 7.9, Salmos 139.7,12, Heb. 4.13. A ele devemos amor e obediência sobre todas as coisas. Deus revelou-se em JESUS, apresentou-se aos homens como (FILHO) dando a Doutrina que representa o (Pai, Filho e Espírito Santo), em três pessoas distintas, porém unidas em sua essência - Mateus. 28.19, I João 5.7 e Romanos 15.30.
O HOMEM É A MAIS ALTA CRIAÇÃO DE DEUS: (CCAMR)
§ 3º - Veio à existência por um ato criativo de Deus, em criar a sua imagem e semelhança. Nele Deus realizou a sua mais alta criação de sua espécie, Gen. 1.26, 31, e 2.7. O corpo do homem voltará ao pó da terra, porém, o seu espírito voltará a Deus que o deu, Gen. 3.19, Ecl. 3.20 e 12.7. Deus ordenou ao homem que domine a criação de um modo geral, sujeite a terra ao seu sustento. Gen. 1.28, Salmo 8.3, 8. O homem foi criado para manter a comunhão com Deus e obedecer-lhe a suas ordens. Atos 17.27, I João 1.3 e 6,7, Mateus. 6.33. Dotado de capacidade de compreender a Palavra e decidir sobre sua obediência, por si só na questão religiosa, sem imposição ou interferência de ação humana de outrem, é livre para cultuar a Deus, conforme o relato Divino, Atos 5.29, 4.29 e 17.30, I Ped. 2.16, II Cor. 3.17, Ez. 18.20.
O FRACASSO E PECAMINOSIDADE DO HOMEM: (CCAMR)
§ 4º - Ao ser criado o homem não tinha pecado, vivendo em estado de inocência diante de Deus. Ao ceder à tentação de Satanás, o homem tornou-se pecador; fazendo-se servo do mau, perdendo a semelhança de Deus e inclinado ao mal imposto pelo tentador. Tendo o primeiro casal desobedecido a Deus, sua natureza tornou-se inconveniente ao Jardim; e separado do seu Criador (DEUS), sendo seus descendentes em razão disso, também pecadores, Gen. 3.1,10, Ecl. 7.29. Como pecador o homem está condenado à morte eterna. Nessa condição, o homem é incapaz de salvar a si mesmo, dependendo do arrependimento e reconciliação com Deus, para encontrar com a graça que é Jesus Cristo - Rom. 8.5,8 e 3.23.
A SALVAÇÃO: (CCAMR)
§. 5º - É concedida gratuitamente a todas as pessoas que se arrependem da sua condição de pecadores, e deposita sua confiança unicamente no Senhor Jesus Cristo, João 3.16, Salmo 37.39, Ef. 1.13. O preço da salvação foi pago na Cruz do Calvário - I Pedro. 1.18,25, Is. 53. Não vem de obras ou sacrifício, Ef. 2.8,9, Rom. 3.24. Ao salvar o homem, Deus o torna por seu filho, João 1.12,13. Deus é absolutamente fiel de maneira tal; que não permite que os salvos sejam arrebatados de suas mãos, todavia, o homem por sua livre escolha e arbítrio pode apostatar da fé e voltar aos seus velhos atos e costumes, João 10.28, Rom. 8.35,39, I Tim. 4.1.
A NECESSIDADE DE SANTIFICAÇÃO: (CCAMR)
§ 6º - Ao homem justificado, e regenerado por Deus no Senhor Jesus Cristo, cabe progredir na busca da perfeição moral e espiritual em Cristo, através do Espírito Santo que nele habita João 17.17, I Tess. 4.3 e 5.23. À medida da submissão; aos propósitos de Deus a santificação vai ocorrendo na vida do Cristão; na evolução de sua fé e obediência, Rom. 12.1,2, Fil. 2.12,13. A santificação é visível através dos frutos do Espírito, é a manifestação da diferença entre os que Servem e os que não Servem a Deus, Fil. 1.11.





A MISSÃO DA IGREJA: (CCAMR)
§ 7º - O termo “Igreja” especifica a reunião ou assembléia de pessoas regeneradas por Cristo, sendo usado na maioria das vezes para designar como congregações locais, local de culto onde os Cristãos invocam e recebe a resposta de Deus, Mateus. 18.17, Atos 5.11, I Cor. 4.17. Como Igreja local, a congregação deve promover o desenvolvimento espiritual dos crentes; ensinar; em ajuda mútua na propagação do evangelho, Atos 2.41,47. No exemplo bíblico das Igrejas da Ásia, recebem orientação do Espírito Santo através da comunhão dos membros em cristo, ministradas por homens cheios do poder de Deus, para a escolha de seus oficiais e obreiros que presidirão entre os demais, Tito 1.5, Atos 14.23, II Tim. 2.2, Atos 13.2. O termo também especifica a Igreja espiritual do Senhor Jesus Cristo, do qual ele mesmo é a cabeça e nos os membros; o corpo, Heb. 12.23, Mat. 16.18, Col. 1.18, Ef. 3.10 e 5.22 e 23.
NAS ORDENANÇAS E SACRAMENTOS DO BATISMO: (CCAMR)
§ 8º - É a primeira ordenança do Senhor Jesus Cristo à Igreja primitiva, quem Crer e for Batizado será Salvo, Devem ser batizadas por imersão na semelhança do Sepultamento do Homem Velho, as pessoas que já são salvas por Jesus Cristo através do arrependimento, precisa da Obediência Batismal. É um ato simbólico não tendo poder sálvico, justifica os que aderem à graça de Deus (JESUS CRISTO), esta vem através do ouvir e a submissão da Palavra de Deus, fazendo uma aliança perante uma tão grande nuvem de testemunha, sendo ministrado e emergido Por ordem de Jesus, (Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo), Mateus. 28.19, Atos 8.36,39 e 10.47. Representando a morte e o sepultamento do homem velho e sua ressurreição com os salvos, recebendo o Dom do Espírito Santo, na imposição das Mãos do Presbítero; resgatando a semelhança de Deus, ressurgindo uma nova criatura no Senhor, na ressurreição para uma nova Vida na Graça de Deus, Rom. 6.3,12, Gal. 3.27. A simbologia do batismo; o caracteriza como testemunho público de fé, devendo envolver decisão pessoal do batizando, razão pela qual a Bíblia não ensina o batismo infantil, devendo ser batizadas os arrependidos de seus atos, e possa crer no Senhor Jesus de todo o seu coração, pois vemos que em todas as famílias mencionadas no Novo Testamento, não há menção de uma só criança sendo batizada, Atos 16.25,34, 18.8, I Cor. 1.16. 16.15.

SANTA CEIA DO SENHOR: (CCAMR)
§ 9º - É um ato simbólico cerimonial comemorativo do sacrifício do Senhor Jesus Cristo na cruz do calvário, também não transmitindo graças a quem participa do ato; mais é uma renovação espiritual lembrando do martírio do Messias; para dar a nos o direito do perdão, I Cor. 11.24 e 25. Os elementos, pão e Vinho, utilizados representam a Carne e o sangue do Senhor Jesus, oferecido em sacrifício na cruz do Calvário, Mateus. 26.26,29, I João 1.7. É um momento de reflexão do crente e de arrependimento para súplica de perdão a Deus e ao próximo, para sua participação no ato devem reconciliar com Deus de suas constantes franquezas, e perdoar ao seu irmão de sua fragilidade e desentendimento, I Cor. 11.28. Servido Duas vezes no ano.

A IMPORTÂNCIA DE SE OBSERVAR O DIA DO SENHOR: (CCAMR)
§ 10º - Todos os dias é o dia do Senhor, sendo o dia de descanso do corpo das ocupações, Gên. 2.3, Êx. 20.8. A Igreja Congregação Cristã Apostólica, não observa o sábado como dia de descanso, Pois o Senhor até do Sábado é o Senhor, aproveitamos o domingo para Servir a Deus, O Sábado observado pelos Judeus, Êx. 31.12,17 demonstravam o descanso do Senhor. Em nada alteramos o dia da ressurreição do Senhor, com o advento do cristianismo por haver Jesus ressuscitado no Primeiro dia da Semana, João 20.1,19, Ap. 1.10, I Cor. 16.1,2. Dedicamos o Primeiro dia da Semana para agradar e Servir a Deus, Mateus. 12.12, Ez. 22.8.
NA ATUALIDADE DA PRÁTICA DOS DÍZIMOS E OFERTAS: (CCAMR)
§ 11º - Deus como Criador e Sustentador do Universo, Gên. 1.1, I Cor. 10.26.Os verdadeiros cristãos pertencem a Deus, assim como os bens de que desfrutam, cabendo-lhes tão somente administrá-los do melhor modo possível, Mateus. 25.14,30. Os cultos e a atividade de propagação do evangelho, segundo as escrituras, devem ser mantidos financeiramente, através das coletas alçada e voluntária, substituindo os dízimos recebido pelos Levitas, que não receberam herança com as demais tribos de Israel, Gen. 14.20, Lev. 27.30, Mal. 3.8,12, Mateus. 23.23 Hebreus 07. Antes mesmo da instituição da lei o dízimo era praticado de forma voluntária pelo o Patriarca Abraão, Gen. 14.20, Heb. 7.4.
A CONSEQÜÊNCIA DO PECADO É A MORTE: (CCAMR)
§ 12º - Todo o pecado gera a morte, não havendo arrependimento determina a separação de Cristo, Rom. 5.12 e 6.23, Heb. 9.27. Após a morte carnal, fecha o livro, com a ultima pagina editada, esta será aberta no Juízo Final, quando abrir os livros da Memória Apocalipse 20, indicando o caminho a seguir, os de boas Obras tomarão a direita do Senhor, quando os da esquerda serão lançados com Satanás no Lago de fogo e enxofre, os Salvos na presença de Deus habitarão no Paraíso; e os ímpios entram num lugar de separação definitiva de Deus e os Santos, Luc. 16.19 a 31. A Bíblia proíbe o contato com as almas dos mortos e fala da ineficácia de atos religiosos em favor dos mortos, I Tess. 4.13,17, Deut. 18.10,11, I Cron. 10.13, João 3.18,36. Não existe comunicação dos vivos com os mortos, não existindo; portanto a chamada “mediunidade, mas sim manifestações demoníacas de anjos decaídos, para enganar os que estão vivos, sendo proibida, terminantemente por Deus, toda forma de espiritismo”. Deus estabeleceu no tempo da lei, que qualquer homem ou mulher com espírito adivinho, ou feiticeiro fosse condenado à morte, Lev. 20.27, Êx. 22.18, Deut. 18.9,12.
NO ARREBATAMENTO DA IGREJA: (CCAMR)

§ 13º - É o grande anseio dos cristãos destes últimos dias. Jesus voltará com poder e grande glória e levará consigo os que o receberam como suficiente o Salvador. Os que forem salvos por Cristo serão ressuscitados e com ele Reinarão, I Cor. 15.12 a 24, Atos 24.15, Fil. 3.20 e 21, Mat. 24.40,41.

NO JUÍZO FINAL: (CCAMR)
§ 14º - Ocorrerá após o milênio, onde serão julgados todos os que não tiveram um encontro pessoal com Cristo, nele depositando sua fé, estes haverão de estar diante do Grande Trono Branco da perfeita justiça, Ap. 20.11 e 12. Aqueles que não tiverem os seus nomes escritos no livro da vida serão lançados no lago de fogo, que é a segunda morte, Ap. 20.14 e 15.


NA NOVA JERUSALÉM: (CCAMR)
§ 15º - Será a morada dos salvos, na eternidade, Ap. 3.12. O Apóstolo João viu a glória de Deus, estará nela; e a sua luz será como Sol, como o jaspe e o cristal resplandecente; e nela não entrará os contaminados com abominações da Vida, mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro. Aleluia. Amém. Ap. 21.9 e 27.

Art. 66 - ENSINAMENTO PARA A IGREJA. (CCAMR)

§ 1º - Restauração e Resgate de almas para o Senhor Jesus Cristo, obedecendo ao mandamento do amor ao Próximo.

§ 2º - Uso do Véu pelas irmãs Apostólicas (CCAMR), usado como ornamento na Igreja, não é considerado mandamento de Salvação; e recomendado o uso para uma unificação Geral na Igreja.

§ 3º - Saudação Oficial Com a Paz de Deus ou a do Senhor Jesus Cristo, o receptor responde com AMEM, selando entre ambos o desejo de uma Paz Uniforme a todos os filhos de Deus na terra e na (CCAMR).

§ 4º - Saudação com Ósculo Santo; ou da caridade, (FACULTATIVO) na (CCAMR) não é obrigatório no termino dos cultos, aplicando conforme o AMOR entre voz, exercendo sem formalidade Congregacional.

§ 5º - Usos e costumes nas Igrejas, trajes sociais Por nossos irmãos e irmãs ao Participarem dos cultos, na vida cotidiana não teremos domínio sobre o rebanho, recomendamos trajes honestos, digno de um Servo; ou Serva de Deus usar e ser reconhecido como Cristão.





§ 6º - Oração na Igreja mantém a forma mais apropriada ajoelhado, fora não temos regras, nem forma única para Deus ouvi-los; depende da fé e temor de cada um diante de Deus, o Ministério deve orientar a irmandade, a primeira Oração no culto e de Petição, a segunda e ultima de agradecimento, em Caso de oração especial, um ora e Unge, outro agradece em seguida nos cultos (CCAMR).

§ 7º - Irmãos e irmãs que louva a Deus; Escolher os hinos mais apropriados, evitar musica dançantes, procurar louvores que envolvam a Igreja na Obediência da Palavra, mantendo o bom testemunho dos que estão dentro e fora da Igreja, participar dos ensaios de Canto nas (CCAMR).

§ 8º - Músicos e musicista: Manter o bom testemunho, dos que estão dentro e fora da Igreja, participar de todos os cultos Oficiais, procurar assistir os cultos, evitar sair sem motivo justificável, respeitar a irmandade que considera um Ministério, Procurarem chegar pelo menos 15 Minutos antecipado para afinar os instrumentos e fazer a Oração secreta.

§ 9º – Porteiros e Porteiras e Operador de Som, Procurar chegar antecipado nos cultos, para organizar aparelhos, verificar os banheiros, regular o som, assumir seu posto antes da chegada da Irmandade, abastecer água e dos quesitos necessário, usado nos cultos.

§ 10º – Pedidos de Oração; a irmandade deve fazer o Registro dos pedidos de oração com o porteiro, e como é na verdade uma campanha de orações, mencionado em conjunto na Igreja, querendo uma oração especifica manifestar antes do termino do culto, na ultima oração é chamado à frente para a oração, solicitando Unção, é efetuado no mesmo instante.



§ 11º - Visitantes na Igreja; a irmandade deve recepcionar os visitantes, oferecendo seu hinário para cantar junto, mostrando um bom comportamento na Igreja, sendo estes evangélicos de outras denominações, querendo dar um Louvor, é bom recomendar do segundo culto, para que conheça a nossa ordem, e forma de proceder, ensinando que não aceitamos musica dançantes.


§ 12º - Batismo por Imersão; a Congregação Cristã Apostólica; não rebatiza quem já creu no Senhor Jesus Cristo e foi Batizado por Imersão, recebemos com nossos irmãos e na mesma comunhão; os que aceitarem a Doutrina Apostólica e Liturgia dos nossos Cultos (CCAMR), não forçam ninguém, recomendamos a mesma Ordem nos cultos.


ART. 67. ENSINAMENTO PARA OS NOVOS OBREIROS: (CCAMR)


§ 1º - Presidência do culto. O Ministro do culto não deve deixar o Púlpito Sozinho. (deverá esperar outro assumir a tribuna, para depois se ausentar).

§ 2º - Lado de orar. (O Ministro do culto deve orar ajoelhando do lado da área masculina, para não ser mal interpretado).

§ 3º - O estar em pé para ouvir a leitura da mensagem. (No ato em que o Ministro pronunciar Deus seja Louvado, a irmandade devem posicionar em Pé, e localizar a Palavra, quando encerrar a leitura repete Deus Seja louvado; a Irmandade se assentam para ouvi-la, sem muita movimentação evitando sair na hora da Pregação).


§ 4º - Cultos avivados (Pertence ao Ministro do culto conduzir a irmandade para um culto alegre; e se possível avivado) é o sacerdote que tem o compromisso de manter acesa a lâmpada dos castiçais do templo do Senhor.





§ 5º - Honra. (Deve ser ensinado aos novos obreiros e lembrar aos antigos que: A honra para a presidência do culto não deve ser aceito na primeira rodada, pois senão; fica impossível honrar a todos se na metade da rodada um aceitar, quebrando o sentimento de um irmão que nos vista atender, a honra deve partir do irmão Mais antigo na Região, quando em visita deve aguardar o da localidade honrar com a Presidência do serviço, salvo quando estiver em Missão na Localidade, Mesmo que o visitante esteja sozinho, o anfitrião oferecendo o atendimento, este deve ser simpático e devolver o compromisso para o Servo da Localidade, sendo este sincero voltará a Insistir ou avisar a Igreja que o visitante presidira o culto).

§ 6º - Honra entre irmãos da mesma localidade. (Deve partir do Ancião Mais antigo da Igreja, revezando entre os companheiros, Um atende outro fica na Comunhão para Deus inspirar na leitura da Palavra, nunca deve ser repetitivo, nem no atendimento do culto, nem na Pregação da Palavra de Deus, salvo quando estiver sozinho, em cultos normais esperar um pelo outro, a revelação da Palavra deve ser livre na Igreja, para Deus usar de quem achar graça; e assim conhecermos os Dons na Igreja), (CCAMR)

§ 7º - Honra entre os irmãos da Localidade. (o Ministro do culto, deverá ser simpático na condução do mesmo, não devem fazer tudo sozinho, presidindo não deve louvar, deixar a primeira Oração para a Igreja, A pregação da Palavra deixa na Guia de Deus; honrando os companheiros, ninguém manifestando o da Presidência deve trazer a Mensagem), (CCAMR)

§ 8º - Atividades dos obreiros; (E dever do Ministério Participar das Reuniões Ministeriais, todos tem sua Responsabilidade na Obra de Deus, sua ausência deixa uma lacuna na ordem da responsabilidade, Diácono responsável pelo Social da Igreja, pode atender o Culto na ausência do Ancião e Presbítero; ou quando solicitado, da mesma forma o Presbítero aguarda sua vez, por ordem do Ancião Mais antigo, dividindo o trabalho do culto).

§ 9º - Solicitação de coletas, (Fica bom o Diácono falar nas contribuições, sendo endossado por quem estiver na Presidência, Justificar a Necessidade da Igreja; ou Social, Lembrando do compromisso assumido, e da caixa de coletas voluntárias na Igreja).

§ 10º - Presidente do culto, (conduzir o culto com cuidado; não se envolver com movimentos externos para não perder o foco principal da Guia de Deus, necessitando de alguma atenção os porteiro observa esta parte).
§ 11º - Disciplina. (Quando um obreiro se fizer merecedor de correção, este devera voluntariamente abrir mãos dos direitos e deveres no atendimento da Obra, ao avisar a Igreja; de preferência que o mesmo esteja presente no dia do anuncio justificando sua Paralisação; e a pena aplicada, com data do termino da mesma).

§ 12º - Acusação. (as acusações que não chegarem de fonte segura não devera ser acatado; e neste caso nenhuma restrição clara e/ou oculta deverá ser aplicada ao suposto acusado, além de que, todas as acusações deverão ser formalizadas na frente do acusado; oferecendo o direito de defesa, sempre).

§ 13º - Bíblia e Hinário, (O Ministério deve ser exemplo da Irmandade, possuindo a sua própria bíblia e hinário, carregando para os cultos, é a ferramenta que usamos para Servir a Deus, recomendando a Irmandade fazer uso também).

§ 14º - Hinos Suprimidos, (Seria bom não suprimir hinos, contudo não é bom prolongar o culto, limitando no espaço de uma hora e meia, controlado pelo Ministro do Culto, fazendo necessário altera o andamento, suprime hinos, no começo ou durante o andamento do Culto).

§ 15º – Doutrina na Igreja, (Quando um Servo esta em visita a uma determinada Igreja, não deve repreender a irmandade nem dar doutrina, esta cabe ao Ministério da Localidade, em particular; chama o servo de Deus da região aconselha, dando a oportunidade dele mesmo ensinar e aplicar a doutrina, mesmo que seja o mais antigo).

§ 16º - Ordem no Culto, (O Ministério deve ser exemplo, A Igreja deve comportar com ordem no culto, evitar entra e sai do salão, isto tira a comunhão; de quem esta Buscando operar de Deus; somente em extrema necessidade, não repetir a saída no mesmo culto, aparece como mau testemunho aos que nos visita).

Parágrafo Único, Este ESTATUTO e Regimento Interno; já é definido e aprovado, caso algum Estado queira Estatuto Próprio; por causa de usos e costumes, deverá ser considerado em outra data de Assembléia Geral; Sem fugir da Base original deste. Quando um contato de outro Estado; for de um Estado com regimento Próprio, este apresenta o Estatuto Nacional e o regimento interno original, Acompanhando e ensinando conforme a Doutrina (CCAMR), este adaptando melhor com outra forma, será Considerado os Costumes do seu Estado. Não permitir fugir da Essência da Igreja Primitiva.

CERTIFICADO NACIONAL:

Certificamos que, em nossa assembléia Geral da Congregação Cristã Apostólica (CCAMR), realizada no dia 29/04/2010, foi aprovado, o ESTATUTO NACIONAL E REGIMENTO INTERNO INCLUSO. Mediante a ATA deste evento por unanimidade ficou INSTITUIDO. Estabelecendo a Composição administrativa e Presidência, (NACIONAL, ESTADUAL E REGIONAL). Os referidos cargos deverão ser Preenchidos No Processo de Primazia na Hierarquia Ministerial, caso o Primeiro seja impedido, ou falta de Qualificação para o cargo; desiste para o Segundo. Tratando do primeiro neste posto, foi aplicado o voto de Consenso, ficando eleito pela maioria dos votos; o Servo de Deus mais antigo, Pastor. JETER SOUTO RODRIGUES. Para Presidir a Organização no Brasil e fora dele por tempo indeterminado, Ordenando e Ungindo Obreiros, Estabelecendo Administrações nos Estados e Municípios, Outorgando e concedendo autonomia para os (PRESIDENTE ESTADUAL), Mediante a ATA e Posse em (ASSEMBLEIA GERAL) para tal Finalidade. O Presidente do Estado após sua Ascensão; recebe a Procuração do Presidente Nacional, Para Instalar Administrações em todo o seu Estado e Municípios de sua Jurisdição. Mediante esta Certidão Presidirá (ASSEMBLEIA GERAL DO ESTADO), Outorgando poder ao Servo Mais antigo da Região a (PRESIDENCIA DA REGIONAL), mediante ATA de sua posse, Presidira assembléias ordinária e extraordinária de sua Regional.



João Paulino da Silva Helio Custodio Josildo da Silva Amorim
Pr. Presidente Estadual Pr. Regional Pr. Presidente Estadual




Paulo dos Santos Josias Antonio dos Santos
Pr. Regional Pr. Local Pr. Regional




CERTIFICADO ESTADUAL:

Certificamos que, em nossa assembléia Geral da Congregação Cristã Apostólica no Apocalipse, realizada no dia 29/04/2010, foi aprovado o ESTATUTO NACIONAL E REGIMENTO INTERNO INCLUSO. Mediante a ATA deste evento por unanimidade ficou INSTITUIDO. Estabelecendo a Composição administrativa e Presidência, (NACIONAL, ESTADUAL E REGIONAL). Os referidos cargos deverão ser Preenchidos No Processo de Primazia na Hierarquia Ministerial, caso o Primeiro seja impedido, ou falta de Qualificação para o cargo; desiste para o Segundo. Foi estabelecido a (PRESIDENCIA NO ESTADO DO PARANÁ), Tratando do primeiro neste posto, foi aplicado o voto de Consenso, ficando eleito pela maioria dos votos; o Servo de Deus mais antigo no Estado, Pastor. JOÃO PAULINO DA SILVA. Para Presidir a Organização no Estado do Paraná por tempo indeterminado, Ordenando e Ungindo Obreiros no Estado e fora dele, Estabelecendo Administrações e Regionais administrativas onde fizer necessário. Mediante ATA de sua posse em (ASSEMBLEIA GERAL), fica autorizado o Poder de decisão administrativa, Presidir as Assembléias gerais do seu Estado. Instituir e destituir o (PRESIDENTE REGIONAL), Mediante a ATA de Reunião comprobatória e especifica para finalidade.






........................................
Pr. Presidente Nacional












CERTIFICADO REGIONAL:




Certificamos que, em nossa assembléia Geral da Congregação Cristã Apostólica no Apocalipse, realizada no dia 00/00/0000, foi aprovado o ESTATUTO NACIONAL E REGIMENTO INTERNO INCLUSO. Mediante a ATA deste evento por unanimidade ficou INSTITUIDO. Estabelecendo a Composição administrativa e Presidência, (NACIONAL, ESTADUAL E REGIONAL). Os referidos cargos deverão ser Preenchidos No Processo de Primazia na Hierarquia Ministerial, caso o Primeiro seja impedido, ou falta de Qualificação para o cargo; desiste para o Segundo. Foi estabelecido a (PRESIDENCIA REGIONAL DE MAUÁ DA SERRA), Tratando do primeiro neste posto, foi aplicado o voto de Consenso, ficando eleito pela maioria dos votos; o Servo de Deus mais antigo na Região, Pastor. HELIO CUSTODIO. Para Presidir a Organização na Regional de Mauá da Serra Estado do Paraná por tempo indeterminado, Ordenando e Ungindo Obreiros na Região e fora dela quando solicitado, Estabelecendo cultos e Igreja em todos os Municípios de sua Regional. Presidindo Assembléia Ordinária e empossando a administração de sua Regional, respeitando a Hierarquia Ministerial do seu Estado.










........................................
Pr. Presidente do Estado